Wednesday, April 21, 2010

Somos um pequeno e desgraçado país_Clara Ferreira Alves


Temos uma elite sofrível e uma classe política sem cultura política nem histórica.

Somos um pequeno e desgraçado país. Não somos pequenos e desgraçados porque sempre fomos; afinal, não somos o Haiti, não somos a Bolívia, não somos a Serra Leoa, não somos o Uganda, não somos a Moldávia, não somos a Guiné; não somos assim porque nos fizeram assim, não fomos colonizados, não descendemos de escravos, não fomos deportados, explorados, invadidos, vencidos. A União Soviética não nos pisou com bota cardada e a Alemanha não nos ocupou. Tivemos um ditador e tivemos a revolução sem sangue e a criação da democracia e dos partidos. Tivemos os fundos europeus e a absorção de um milhão de retornados. Tivemos colónias, ouro, escravos e uma história que não nos envergonha. Temos uma longa e estabelecida nacionalidade. Temos a coragem e o génio de ter escapado a Castela. Temos a miscigenação, a lírica e a épica. Temos as descobertas e a geração de Aviz. Temos uma identidade e uma cultura, temos uma língua falada por milhões. Temos 800 km de praia e sol.
Temos muitas razões para sermos felizes. E não somos. Somos um pequeno, desgraçado e deprimido país que se queixa por tudo e por nada, que se detesta e detesta o sucesso alheio, que aniquila a qualidade e promove a incompetência, que deixou que a administração pública fosse tomada de assalto por parasitas partidários, por gestores imorais e por políticos corruptos ou que fecham os olhos e promovem a corrupção como forma de manutenção do poder. Somos um país sem esperança onde nada avança e nada acontece, como escrevia o poeta Ruy Belo.
Sai-se da pátria e regressa-se à pátria e as notícias são as mesmas; é como se o mundo girasse e nós parados. À espera do apocalipse. Tudo nos diz que amanhã será pior e toda a gente nos pede mais sacrifícios, mais penúria e mais infelicidade. É impossível levantar um país de vencidos ou convencê-lo a fazer alguma coisa por si. Leio as notícias sobre o extraordinário salário de António Mexia, da EDP, os 3,1 milhões anuais, e penso o que pensa uma pessoa normal: não vale a pena. Os velhos morrem de frio no Inverno porque não têm dinheiro para pagar "a luz" e o senhor energia tem um salário igual ao dos melhores 200 gestores americanos. Numa empresa falsamente privatizada que floresce num regime de monopólio e em que o Estado é o maior accionista. E aquilo é o salário, fora os benefícios e os cartões. Fora as reformas e as pensões. A permanente resignação perante a imoralidade é que nos torna passivos, fracos, assustados, irresolutos e cúmplices da delapidação do nosso dinheiro. E um governo socialista autorizou isto e promoveu isto. E pior do que isto. Não se trata de premiar o mérito, trata-se de premiar a estupidez. Porque deixamos isto passar.
Imagine-se que nos acontecia uma verdadeira desgraça. Quando Wall Street veio por aí abaixo eu estava em NY e fui a Wall Street. Vi banqueiros e financeiros saírem de cabeça coberta por jornais a meterem-se nos buracos do metro, envergonhados. Insultados. O mundo pensou que era o fim do seu mundo. Que o sistema capitalista tinha acabado. Etc. O capitalismo não acabou, nem vai acabar. Regenerou-se no que foi obrigado. A linguagem e a política que Obama adoptou tiveram efeitos. A América sai da crise, com os seus desempregados. A seu modo, brutal, corrige as falhas. Ali, a política ainda conta e o sistema de justiça funciona (com erros e defeitos) e faz funcionar a democracia. Acima de tudo, os americanos acreditam na América e têm o optimismo do copo meio cheio. A América, um grande e engraçado país, não perde tempo em lamúrias. Já se fazem piadas sobre o 11 de Setembro e sobre o crash das bolsas e dos bancos. A América reconstrói-se todos os dias e recomeça. Analisar a vitória política de Obama com o seu Plano de Saúde é uma lição de política, tanto para os republicanos como para os democratas.
A América é um país que corre para a excelência e que rejeita a mediocridade. E a um ciclo de mediocridade segue-se um de excelência porque a rota corrige automaticamente. O sistema autocorrige-se na passagem do tempo. As torres que vão surgir no WTC serão as mais altas do mundo. Esta dose de megalomania é saudável porque toda a gente precisa de símbolos e de modelos. Em Portugal, deixámos de ter símbolos e não temos modelos. O português mais influente é um jogador de futebol. O segundo mais influente é um treinador de futebol. E ponto final. Temos uma elite sofrível e uma classe política sem cultura política nem histórica ludibriada por autodidactas ou por rapazes com cursos tirados no estrangeiro que chegam a Portugal com um objectivo: enriquecer. Enriquecer à sombra do partido, do padrinho na banca e do Estado. De nós. E a justiça trata de si e dos seus privilégios. Somos um pequeno e desgraçado país.

9 comments:

Eu Mesma! said...

Somos um pequeno e desgraçado país....

nao concordo...
e que nao concordo nada....
este pais ja evoluiu muito... imenso... e só nao evolui mais porque ainda existem pessoas que não acreditam no seu valor...

Angel in the dark said...

Concordo e discordo do que dizes.
Mais do que tudo não podemos deixar nunca de acreditar!


Angel

Pjsoueu said...

Verdade. "Somos um pequeno e desgraçado país".

Concordo plenamente...Apesar do e3xplendor da nossa história, quem nos tem governado faz-nos sentir "mal-amados". Não temos bandeira de esperança. A Patria trata-nos mal ( quem nos desgoverna) e somos obrigados a fugir para sobreviver....

Sim; concordo: estamos um país desgraçado".

Seastar_ Hannanur said...

Também li esse texto da Clara Ferreira Alves no Expresso de dia 15 de Abril.

Concordo e esta frase diz tudo:

"Temos muitas razões para sermos felizes. E não somos. Somos um pequeno, desgraçado e deprimido país que se queixa por tudo e por nada, que se detesta e detesta o sucesso alheio, que aniquila a qualidade e promove a incompetência,"

Ah!... e só temos este governo porque ainda votam neles.


Kiss

Mar Arável said...

Pois é

somos o que somos

mas até a Clara culta inteligente

e política

gosta desta merda

Maria Tuga said...

Concordo com a Clara e acrescento mais. Somos invejosos e mesquinhos...mas lá fora com uma cenoura à frente e um pauzinho atrás somos bons profissionais.
Quando viajamos, realmente associam-nos ao futebol, mas gostam de nós... Temos uma classe politica desastrosa...e a maior empresa portuguesa é gerida sem critérios, sem objectivos...Vamos longe.

Valéria Gomes said...

Não se trata do meu país, mas concordo que não devemos fechar os olhos para as injustiças governamentais. Devido ao que foi comentado, vejo que a situação não anda boa por hoje, mas precisam acreditar no amanhã. No que pode ser feito de melhorias para o progresso do país. Ainda que distante, acredito muito em melhorias, assim como no Brasil, ainda não desisti de acreditar que tudo pode se resolver.

Beijos confiantes!!!

Daniele.. said...
This comment has been removed by the author.
Daniele.. said...

Em primeiro lugar..

Parabéns pela criatividade do blog.

Achei muito criativo.. Tudo aqui!! ;D

Segundo lugar, parabéns pela postagem, tem ótimas idéias..

E terceiro lugar, estou te seguindo, está bem?

Sobre a postagem..

Acho que muita coisa vai mudar e o segredo para que tudo de certo, é confiar no país, ter orgulho dele.

Um beijo.

Voltarei aqui muitas vezes, pode ter certeza.. Então, até logo!! ♥