Tuesday, July 06, 2010

ausência [Carlos Drummond de Andrade ]


Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.

Hoje não a lastimo.

Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,

que rio e danço e invento exclamações alegres,

porque a ausência, essa ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim.

5 comments:

Pjsoueu said...

Que lindo. Que dor quando a ausencia é forçada!

Pj

Maria said...

Um dos meus poemas preferidos...

Beijoca, Vela.

Valéria Gomes said...

Esse Drummond é mesmo para sempre!!! Bela escolha, Vela!!!

Beijocas!!!

Miudaaa said...

E que ao longo do teu dia gostes dos encontros com ela... a AUSÊNCIAa TUA ausência.
Porque também é nos momentos ausentes que aprendemos e crescemos.

Um Beijo.

JonyFingers said...

"time is money, don´t waist it!..."