Thursday, December 04, 2008

2 sugestões

Que será isto, pensou, e de súbito sentiu medo, como se ele próprio fosse cegar no instante seguinte e já o soubesse. Susteve a respiração e esperou. Nada sucedeu. Sucedeu um minuto depois, quando juntava os livros para os arrumar na estante. Primeiro percebeu que tinha deixado de ver as mãos, depois soube que estava cego.
Ensaio sobre a Cegueira [José Saramago]




Li o livro e vi o filme. Gostei do segundo e adorei o primeiro.
O Ensaio sobre a Cegueira talvez seja o livro que li mais triste, inquietante, cruel mas também feliz. É simplesmente uma obra que voltarei a ler pela minha vida fora porque nunca deixará de ser actual. Infelizmente é um prenúncio do futuro...
O que é a cegueira? De causas médicas não sei mas também não é disso que o livro trata mas sim da interpretação da sua origem..O mundo atravessa uma crise financeira gravissima, a humanidade cega a tudo o resto e vê apenas o valor da sua vida diminuir. Sente se no mundo de hoje o cheiro fétido que nos toca ao longo do livro e que o filme tão bem retrata.
Quantos de nós já estão cegos desta cegueira branca e quantos sobreviverão à epidemia. A que distância estamos do dia em que alguém gritará “Eu vejo” e se alguém será poupado à cegueira geral para ser o olhar que precisamos para viver..
Este livro já me passou pelas mãos e os meus olhos já o beberam…Espero que passe pelas vossas em breve. Acaso não ceguem antes....para o amor ao próximo.







O tema é a própria Arte, ou a Representação da vida pela Arte. Como nas Seis Personagens à Procura de Autor trata-se de Teatro dentro do Teatro e também da relação do teatro com o público. É uma estranha companhia de teatro quem chega à mansão onde vive refugiado o mágico Cotrone com os seus “azarentos” e todos estão sob a ameaça desses ocultos gigantes da montanha. Uma obra chave da dramaturgia do autor e um fascinante ponto de partida para muita reflexão sobre as artes do espectáculo. Disse Pirandello sobre o seu texto que era “a tragédia da Poesia neste brutal mundo moderno”.

"Como podemos nos entender (...), se nas palavras que digo coloco o sentido e o valor das coisas como se encontram dentro de mim; enquanto quem as escuta inevitavelmente as assume com o sentido e o valor que têm para si, do mundo que tem dentro de si?"
[Luigi Pirandello]
Não será a vida uma infinidade de absurdos que nem sequer precisam de parecer verosímeis porque são verdadeiros??

20 comments:

vida de vidro said...

Quanto ao "Ensaio sobre a cegueira" li o livro mas não vi ainda o filme. O livro é, de Saramago, o que gostei mais. Profundo, terrível, sempre actual, como dizes. Vou tentar ver o filme. **

Thiago said...

Concordo com Luigi!! um abraço de Barcelona

Maria said...

Ainda não vi o filme. Mas é seguramente muito bom, pela opinião expressa pelo Saramago. O livro é um dos livros da minha vida...
A segunda sugestão é também a ter em conta. Haja tempo...

Beijo, Vela

Pearl said...

Quero agradecer a tua visita ao meu mundo e o comentario igualmente!!

Adorei o teu primeiro parágrafo...

beijos

fatima pb said...

Comprei o livro, ha muito tempo, mas nao passei das primeiras paginas... Já nao lembro pq. Agora, nao sei se verei o filme, nem se voltarei a tocar no livro nos proximos tempos, pq ando numa fase de me cuidar, de me proteger, de me restabelecer...

Um dia, talvez.

um beijinho grandeeeeeeeee, para ti.

Sea star_ Hannanur said...

Deixei de questionar a Vida quando perdi pessoas que eram o meu pilar.A minha proteção.Não preciso de explicações para tudo o que acontece.Aceito ou não e ponto.depois vivo.Só nos assuntos de coração ainda "tropeço", talvez por querer acreditar.Também já me passou mais a "fase" de querer mudar o mundo.

Só não me sinto ovelha e ainda "vejo" bem.Não basta olhar, é quase o mesmo que estar cego.

Bom post este Velinhas

Obrigada pelo "apertadinho"

Beijinho

mfc said...

Não há maior absurdo que a realidade em si mesma.

Nogs said...

É um livro terrível, de uma qualidade e riqueza arrebatadora. Já o tinha lido há muito tempo atrás e, agora, voltei a lê-lo. É como um murro no estômago lê-lo quando se está triste e sem esperança em nada... O filme, estou ansiosa para o ver, mas aqui por Espanha tardará mais um pouco.
(não vi o trailer para não estragar a magia:P).

BeijOOO e bom fim-de-semana

Teresa Durães said...

penso que a vida é mesmo um absurdo que temos de combater

Lídia said...

... livro de eleição mas ainda não vi o filme. Não me queria desiludir :) mas vou vê-lo. Obrigada pela sugestão teatral :) Bj

Su said...

prefiro a 2º sugestão............

ops não gosto de jose saramago-----

---levo comigo a frase de LuigiP


jocas maradas....sempre

Pumbaa said...

tambem vi o filme e li o livro. Partilho da mesma opinião. O filme é grande. O livro é maior!

Lu.a said...

Vou ver o filme este fim de semana (confesso que não li o livro)!

Bom fim de semama! :)

AnaMar said...

O único livro que gostei de Saramago, porque talvez o único que consegui ler. E tenho muita curiosidade em ver o filme.
Quanto à peça, é mesmo tempo de ir ao Teatro.

Bj

Apenas eu said...

Sabes que eu dei o livro á minha mãe de prenda de anos, depois pensei (como ainda não o li, vou lê-lo depois dela) não será um livro demasiado duro? desfolhei umas páginas numa livraria e pensei, se quem lê este livro nunca mais vai ver o mundo com os mesmos olhos então é mesmo isto que todos nós precisamos.

Depois de Te ler tenho a certeza que a escolha foi a mais acertada.

beijos Vela, e bom fim de semana.

Nani said...

Ainda só li o livro ... este fim de semana tenho mesmo de ir ver o filme!!! :D

Pink said...

Não vi o filme...nem li o livro. Mas neste Natal a ver se mo oferecem...ou compro eu. Só depois de o ler é q verei o filme. Como prefiro sempre os livros ao cinema...nunca vi 1 filme sabendo q havia tb a obra escrita.
Thanks plas sujestões.
Bom fds de 3 dias!!!
Até!

pn said...

Cegos... somos todos. Há muito olhamos e não vemos ou mal vemos. Por isso, nos perdemos!

A verosimilhança é o que mais se parece com a verdade, não a sendo. Para quê, crer que o verdadeiro seja verosímil?
Ficções invertidas(!?)

poetaeusou . . . said...

*
livro,
com pouco de saramargo . . .
um absurdo ???
,
conchinhas,
,
*

Dias said...

Da primeira sugestão: gostei bastante do 1º, along with Jangada de Pedra são as suas melhores obras (prefiro a FC, nota-se :). Do 2º (o filme) ainda não vi, mas confesso que tenho alguma curiosidade.