Sunday, February 22, 2009

na noite do Cinema, sentada no sofá cá de casa vi

Após deixarem para trás a cidade de Dogville, Grace e o pai acabam por acaso nos portões de uma quinta em Manderlay, no sul dos Estados Unidos. Ali, Grace descobre uma comunidade de escravos em pleno funcionamento, apesar da escravidão já ter sido abolida há 70 anos. Na quinta, Grace envolve se nas relações entre os empregados negros e patroa, e com a ajuda homens que trabalham para si, decide tomar conta da fazenda, após a morte da dona, com o intuito de entregá-la para os escravos algum tempo depois.

(A semelhança com a política americana no Oriente Médio não é mera coincidência!)

O filme brinca com o conceito que cada um têm da palavra “liberdade”. Mostra que todos os pontos de vista devem ser respeitados. O filme é também um manifesto contra o racismo. A dado momento no filme, um escravo diz que eles não estão preparados para serem livres, pois a sociedade não está preparada para recebê-los. “E não estará daqui a 100 anos”, completa ele. Infelizmente, está correcto.





´

Não devemos ser escravos de um padrão, de uma época, de um costume. Aprendendo a pensar por nós mesmos, experimentamos a liberdade.


[Luiz Márcio M. Martins]


mas Janeiro e Fevereiro foram meses de cinema...também vi:



  • Australia- um filme a recordar os de antigamente(Como tudo o vento levou) que se passa na região norte da Austrália num período anterior à Segunda Guerra Mundial.O filme com Nicole Kidman no papel de uma aristocrata inglesa que herda um pedaço de terra enorme e vê sua propriedade ser alvo da cobiça de outros latifundiários da região. Para proteger a terra que herdou ela une forças com um vaqueiro (interpretado por Hugh Jackman) que se tornam um par romântico e claro saem vencedores nesta luta depois de passarem por muitas provações.São 166 minutos de filme, o que não é pouco, mas que eu gostei.

  • O Estranho Caso de Benjamin Button-Não gostei, Amei!A vida ao contrário..alguém que nasce velho e morre criança. E nem por isso se liberta das inquietações habituais. Uma homenagem ao presente.Adorava viver a experiencia..afinal, assim como assim, todos acabamos de fraldas.

  • A troca- Um filme realizado por Clint Eastwood, com uma interpretação fabulosa de Angelina Jolie, no papel de Christine Collins, mãe solteira, telefonista, que se dedicava com afinco à educação do filho Walter, desaparecido no dia 10 de Março de 1928, um sábado, enquanto ela estava trabalhar para substituir uma colega.A partir daí, Christine torna-se vítima do Capitão J. J. Jones que comanda o poderoso esquema de corrupção policial da cidade, vigorosamente atacado pelo Reverendo Gustav Briegleb,que do púlpito de sua igreja, divulga pelo rádio para a comunidade diversos sermões que são valores universais ajustados não só à triste realidade de Los Angeles na década de trinta, mas também e principalmente aos tempos actuais.Como repete muitas vezes Christine Collins (Angelina Jolie) : Eu tenho esperança!...Adorei o filme e se pudesse dava lhe o Oscar para melhor actriz.

  • Revolutionary Road-Gostei apesar do par Kate Winslet e Leonardo Di Caprio não me convencer muito (2 actores de quem não gosto por ali além).O filme não é mais do que um casal que parece perfeito aos olhos dos outros mas em que ela acha que tem uma vida da treta ainda que confortável, quer ir atrás de um sonho, descobrir aquilo de que é capaz de fazer e em que o ele se acomodou à vidinha.Confesso que passei o filme a recordar outro ...Beleza American, um dos filmes da minha vida e que é bem melhor do que este.No entanto, acho que uma lição deve ser tirada um casal são 2 pessoas e nunca apenas uma, por muita comunhão que haja.

  • Milk- Um filme que retrata a luta sobre os direitos dos homossexuais nos EUA. O actor Sean Penn, activista pelos direitos dos homossexuais, primeiro político americano a assumir a sua homossexualidade, amante, amigo, lutador, herói, está nomeado para o Óscar de Melhor Actor e eu se pudesse oferecia lho. A vida de Harvey Milk mudou a História e a sua coragem mudou vidas.É um filme interessante, importante, que me comoveu às lagrimas e que mostra a tacanhez de espírito que coexistia no mesmo país que estava a passar pelo movimento flower power mas que também mostra que ainda hoje há muito que fazer para sermos todos diferentes mas todos iguais.

  • Dúvida- A história passa se no ano de 1964, em uma escola católica no Bronx onde a directora (Meryl Streep) é uma dura freira que acusa publicamente de pedofilia um padre popular (Philip Seymour Hoffman). O filme aborda as questões de religião, autoridade e moralidade mas a dúvida instala-se e vai dividir irremediavelmente a comunidade.Em mim ficou a dúvida se aquele padre apenas por ajudar um menino que era diferente[as suas preferências sexuais era homossexuais], por lhe dar mais atenção e se lhe oferecer como um pai, já que o dele o trata mal e não o aceita, não foi condenado apenas por aceitar a diferença.Por mim o Óscar de melhor actor secundário iria para Philip Seymour Hoffman, talvez porque o filme valha por ele.Gostei.
  • Frost/Nixon- O filme conta a história de um apresentador de tv britânico David Frost, que conseguiu fazer com que Richard Nixon admitisse publicamente, numa série de entrevistas que lhe fez, que tinha abusado do poder enquanto presidente e sabia do escândalo de Watergate.É uma história muito americana - a busca da redenção - e ao mesmo tempo muito "morganiana" na medida em que se torna impossível quer a Nixon quer a Frost divorciarem as suas opções da sua personalidade. Para Morgan, quando se está numa posição de responsabilidade, é impossível divorciar quem se é do que se faz, e de nada serve lutar contra isso: é isso que torna o confronto entre Frost e Nixon tão estimulante.Neste filme, há uma frase dita por Nixon, que perdura na cabeça de quem o vê:"I'm saying that when the President does it, that means it's not illegal!"A ambição pode fazer uma pessoa não valer nada!Quanto ao filme não se perde nada em vê-lo.
  • Quem Quer Ser Bilionário?-É o regresso de Danny Boyle à ribalta, voltando a realizar um filme de culto, feito que já não conseguia desde o clássico dos ninetties Trainspotting.Jamal Malick é um jovem de 18 anos que cresceu nos bairros de lata de Bombaim, órfão, que chega à pergunta final do concurso de televisão Quem Quer Ser Milionário indiano. A motivação que o levou a concorrer não foi porém o dinheiro que poderia conseguir, mas a esperança de ao aparecer na televisão, ser visto pelo seu amor de infância e há muito perdido, Latika.Jamal vai acertando nas respostas às perguntas que lhe vão sendo colocadas porque cada uma delas o remete para um flashback da sua vida, onde o telespectador vai sendo confrontado com a guerra, a exploração infantil, a marginalidade ou a fome. Nos flashbacks da infância, vemos Jamal a brincar com o seu irmão mais velho, Salim, nos bairros de lata, a assistirem ao assassinato da mãe, a serem explorados por um suposto benfeitor de um orfanato. Os dois crescem, mas como dois ramos da mesma árvore, em sentidos diametralmente opostos. Ao chegar à final, Jamal consegue uma proeza que não está ao alcance dos mais entendidos em cultura geral e o próprio apresentador do concurso resolve denunciá-lo à polícia, acusando-o de fraude. Só assim, um "pobre"chegaria à fase final de um concurso daquele género.Na verdade, "Quem Quer Ser Bilionário?" é um filme muito inglês, no modo como resume tudo a uma questão social, de classe e mobilidade, em que o preconceito marca novamente a vida de uma pessoa(Jamal).Um filme que mostra como o destino não é mais do que uma série de consequências, consequências estas que também não passam de consequências. E assim sucessivamente. Como uma reacção química em cadeia.Este mostra também que o caminho para a felicidade, o objectivo último de qualquer ser humano, se pode percorrer por várias vias. E nem sempre os atalhos levam a lado algum.E sim, foi dos melhores filmes que vi nos últimos tempos.

22 comments:

amazing said...

Se tens os DVDs faz favor de levar para eu ver.

Alexandra said...

Não é a primeira vez que aqui passo mas não tive oportunidade de comentar.

Não vi nenhum por estar um pouco afastada do cinema mas fiquei a conhecer e isso é importante.

Parabéns pelo aniversário e pelo excelente blog.

Até mais.

ps:O "MELHOR AMIGO DA VELA" é LINDO!!

Izzie said...

Vi ontem o estranho caso de benjamin button. Gostei. Foi um ensinamento...

O abraço apertado soube mesmo muito bem:).

Beijinho grande.

via said...

Para mim, A TROCA, is the best! esta música também, the best!! Stand by me!!

Luis Eme said...

apetece-me dizer: tantos filmes bons que não vi!

bjs Velas

Borboleta said...

Xiiii, viste tudo isso?! Bem, parabéns! Eu nem metade vi!
Boa semana.

I. said...

Ah, grande cinéfila!
Destes, só me falta A Dúvida - o que eu gosto do Philip, é tão bom actor.
(também nuca vi o Dogville ou o Manderlay, mas tenho que arranjar coragem para ver, dizem que são fortíssimos. O Lars von Trier não é nada meiguinho, e deixou-me de rastos com Os Idiotas e Dancer in the Dark))

- Leonor Pinto said...

Obrigado pelo comentário que me deixaste ao sonho!
=D

ainda bem qe gostaste!
=D

Blog excelente! Parabens pelo aniversario!

bjinho***

mfc said...

Obrigado por esta sinopse de filmes bem feita.
vai ver um que te recomendo e que não está ali... O Leitor!
Um beijo para ti.

- Leonor Pinto said...

bem, eu gosto mais de terror !
haha xD

abraço

Mãos de Veludo said...

Opah! eu já ando ansiosa para ver alguns dessesfilmes... só tás adar mais vontade! Mas agora já tenho tempo! :D

Meia Laranja said...

Faço-te um desafio,(As três mentiras) passa pelo meu blog gostaria que respondesses ;)

Cruztáceo said...

não vi nem um! mas já la tenho o slumdog, e quero ver também a troca o milk e o do dnixon os restantes não me suscitam curiosidade...

Ps:uau que cinéfila!

jituz

said...

ambiciono ver alguns filmes dessa "lista". principalmente "o estranho caso de benjamin button".
: )

veritas said...

por aqui partilhamos e pregamos algumas rasteiras às astúcias da solidão. estou com curiosidade de ver o grande vencedor dos óscares.

bjs.

Apenas eu said...

Vou tão pouco ao cinema :( vejo quase tudo do blocbuster... já atrasados...

Mas já sei com quem me aconselhar quando quiser ver um bom filme.

(vela passa no vidas e vai-te lá rir um bocadinho comigo, não resisti...)

Montes de beijos Nina

nOgS said...

ena! Tanto bom cinema! obrigada:)

Andreia said...

bem, isto é que é uma lista de filmes... também quero :)

Dias said...

Não vi nenhum, se bem que no periodo pós Oscars tenha sempre alguma curiosidade nos mainstremistas :)

Não sei se te apercebes da qualidade deste Post... incrivel miuda, parabéns e obrigada pelo work!

Um abraço sem personagens

Jane said...

Um beijinho para ti *


p.s- ainda bem que tens aqui um resumo do que interpretaste de todos estes filmes... assim já tenho uma ideia de qual escolher para o meu serão de hoje..

IandU said...

Gostei muito do Manderlay. Ao principio foi um pouco estranho ver um filme assim, mas depois de entrar no ritmo do filme tornou-se muito bom ;)

isabel victor said...

Dogville (fantástico), um dos meus filmes ...


Infelizmente, não tenho ido muito ao cinema nos ultimos tempos ((:
Mas gostei muito de revisitar (de fio a pavio) este belo sítio.



Abraço

iv