Tuesday, June 23, 2009

jogo do meme

Ofereceram me este jogo do meme no aArtmus e eu aceitei!
[As regras iniciais eram escolher um(a) cantor(a) ou um grupo; para cada pergunta, dar como resposta um título ou um trecho de suas músicas.Com estas regras o jogo já foi cumprido aqui no
Velas!]


Eu gostei da ideia de inverter as regras do jogo e vai daí vou joga lo com textos em prosa, poesia ou citações dos meus autores preferidos, e desta forma vou responder às perguntas partilhando quem sou.


És homem ou mulher?


As mulheres voam
como os anjos:
Com as suas asas feitas de cristal de rocha da memória
Disponíveis para voar soltas...
Primeiro lentamente: uma por uma
Depois, iguais aos pássaros
…fundas.

...
Maria Teresa Horta- Anjos mulheres


Descreve-te…


A parte invisível do visível.
De resto conhecer mais o quê?
O Manifesto do Invisível.
Gonçalo M. Tavares-Investigações. Novalis



O que as pessoas acham de ti?


Todos julgam segundo a aparência, ninguém segundo a essência.
Friedrich Schiller



Como descreves teu último relacionamento?
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena.
Mário Quintana


Descreve o momento actual de tua relação:

Aproximo-me da noite
o silêncio abre os seus panos escuros
e as coisas escorrem
por óleo frio e espesso
Esta deveria ser a hora
em que me recolheria
como um poente
no bater do teu peito
mas a solidão
entra pelos meus vidros
e nas suas enlutadas mãos
solto o meu delírio.
...
Mia Couto- Raiz de Orvalho e Outros Poemas

Onde querias estar agora?


Os pássaros de Londres
cantam todo o inverno
como se o frio fosse
o maior aconchego
nos parques arrancados
ao trânsito automóvel
nas ruas da neve negra
sob um céu sempre duro
os pássaros de Londres
falam de esplendor
com que se ergue o estio
e a lua se derrama
por praças tão sem cor
que parecem de pano
em jardins germinando
sob mantos de gelo
como se gelo fora
o linho mais bordado
ou em casas como aquela
onde Rimbaud comeu
e dormiu e estendeu
a vida desesperada
estreita faixa amarela
espécie de paralela
entre o tudo e o nada
os pássaros de Londres

quando termina o dia
e o sol consegue um pouco
abraçar a cidade
à luz razante e forte
que dura dois minutos
nas árvores que surgem
subitamente imensas
no ouro verde e negro
que é sua densidade
ou nos muros sem fim
dos bairros deserdados
onde não sabes não
se vida rogo amor
algum dia erguerão
do pavimento cínzeo
algum claro limite
os pássaros de Londres
cumprem o seu dever
de cidadãos britânicos
que nunca viram
os céus mediterrânicos
Mário Cesariny-Poemas de Londres

O que pensas a respeito do amor?


Rifa-se um coração quase novo. Um coração idealista. Um coração à moda antiga. Um covarde, moleque que insiste em pregar peças no seu usuário. Rifa-se um coração que na realidade está um pouco usado, muito machucado e que teima em alimentar sonhos e cultivar ilusões. Um pouco inconsequente, que nunca desiste de acreditar nas pessoas. Um leviano e precipitado coração que acha que Tim Maia estava certo quando escreveu: «Não quero dinheiro, eu quero amor sincero, é isso que eu espero!» Um idealista!!! Um verdadeiro sonhador... Rifa-se um coração que nunca aprende, que não endurece e mantém sempre a esperança de ser feliz, sendo simples e natural. Um coração insensato que comanda o racional sendo louco o suficiente para se apaixonar. Um furioso que vive procurando relações e emoções verdadeiras. Rifa-se um coração que insiste em cometer sempre os mesmos erros. Esse coração que erra, que briga e que se expõe. Perde o juízo por completo em nome de causas e paixões. Sai do sério e, às vezes, revê suas posições arrependidas de palavras e gestos. Esse coração tantas vezes incompreendido, tantas vezes provocado, tantas vezes impulsivo. Rifa-se este desequilibrado emocional que abre sorrisos tão largos que quase dá para engolir as orelhas, mas que também arranca lágrimas e faz murchar o rosto. Um coração para ser alugado ou mesmo utilizado por quem gosta de emoções fortes. Um órgão abestado, indicado apenas para quem quer viver intensamente e contra-indicado para os que apenas pretendem passar pela vida matando o tempo, defendendo-se das emoções. Rifa-se um coração tão inocente que se mostra sem armaduras e deixa louco seu usuário. Um coração que quando parar de bater ouvirá o seu usuário dizer pra São Pedro na hora da prestação de contas: «O Senhor pode conferir, eu fiz tudo certo, só errei quando coloquei sentimento. Só fiz bobagens e me dei mal quando ouvi este louco coração de criança que insiste em não endurecer e se recusa a envelhecer». Rifa-se um coração ou mesmo troca-se por outro que tenha um pouco mais de juízo. Um órgão mais fiel ao seu usuário. Um amigo do peito que não maltrate tanto o ser que o abriga. Um coração que não seja tão inconsequente. Rifa-se um coração cego, surdo e mudo, mas que incomoda um bocado. Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda não foi adoptado, provavelmente, por se recusar a cultivar ares selvagens ou racionais, por não querer perder o estilo. Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree. Um simples coração humano. Um impulsivo membro de comportamento até meio ultrapassado. Um modelo cheio de defeitos que, mesmo estando fora do mercado, faz questão de não se modernizar, mas vez por outra, constrange o corpo que o domina. Um velho coração que convence seu usuário a publicar seus segredos e a ter a petulância de se aventurar como poeta.
Clarice Lispector



Qual o lema da tua vida?

Devemos andar sempre bêbados.
É a única solução.
Para não sentires o tremendo fardo do tempo que te pesa sobre os ombros e te verga ao encontro da terra, deves embriagar-te sem cessar.
Com vinho, com poesia, ou com a virtude.
Escolhe tu, mas embriaga-te.
E se alguma vez, nos degraus de um palácio, sobre as verdes ervas de uma vala, na solidão morna do teu quarto, tu acordares com a embriaguez atenuada, pergunta ao vento, à onda, à estrela, à ave, ao relógio, a tudo o que se passou, a tudo o que gira, a tudo o que canta, a tudo o que fala; pergunta-lhes que horas são:
São horas de te embriagares.
Para não seres como os escravos martirizados do tempo, embriaga-te, embriaga-te sem descanso.
Com vinho, com poesia. Ou com a virtude.
Charles Baudelaire



O que pedias como único desejo?


Vontade de mergulhar sem oxigénio no oceano
e entrar no colo das ondas.
Andreia- A menina dos olhos de água

21 comments:

Eu Mesma! said...

adorei o lema de vida :)

Su said...

excelentes escolhas nos excertos para os diferentes estados de ser e de alma


jocas maradas..sempre

ML said...

de blog em blog parei aqui e gostei mto!
além deste post, emile simon é mto bom de se ouvir :-)
depois mia couto e tb sporting! gosto desta casa

Joana Homem da Costa said...

Adorei este post, grandes respostas...

Também dias assim, de solidão...o que me anima um pouquinho é pensar que o dia de amanhã pode ser sempre melhor...e se for pior, será pelo menos diferente, e às vezes quanto mais lá em baixo chegamos mais força temos para nos erguer.

A solidão de alma é a pior...e compreendo-a tão bem...

Beijinhos grandes

Maria said...

Gostei de ler as tuas escolhas neste meme, Velas.

Beijinho
:)

Carracinha Linda! said...

Deixa-me dizer-te que teres quebrado as regras e respondido com textos dos autores que mais gostas teve um resultado excelente!
Um bom exemplo de que ás vezes as regras existem para serem quebradas!

Beijocas!

just me, an ordinary girl said...

Gostei muito, claro

mas vinha mesmo era deixar-te um beijo e fazer-te um carinho...

Teresa Santos said...

Original, como sempre!
Provas, de forma clara, como por vezes é bom quebrar as regras do jogo e invertê-las, enriquecendo-o.

Beijinho.

said...

adorei a resposta à pergunta "o que pensas a respeito do amor" : )

Maria P. said...

Interessantes escolhas, gostei mesmo.

Beijinho*

Porcelain Doll said...

Todos julgam pela aparência e poucos pela essência... vivo com isso todos os dias... e odeio-os por isso... não, não odeio, que o ódio envenena... desprezo-os por isso... mesmo os que me julgam melhor do que sou.

Bj

Dias said...

Bem cool o add ao Meme :) criativa, como sempre.

Este inginuranti so consegue achar mais Arte nas palavras de Baudelaire, e achou muito acertados os verbos do Amor.

E, Londres, não obrigado, enlouquecia em duas semanas :)

Beijo

Fire Wife said...

Gostei muito,muito mais interessante que a ideia original.
Será que algum dia vamos deixar de estar tristes? Espero que sim.
Beijinhos

Matilde Cê said...

Vela, tens falado com a Catarina? Estou um bocado preocupada com ela e não tenho falado com ela.
Um beijinho grande *

nuvem said...

Excelentes escolhas, aliás, como sempre.

Espero poder conhecer-te pessoalmente este Domingo, no lançamento do meu livro, a decorrer no Bela Cruz Porto, às 17h... :)

Beijinhos e até lá!

Francisco said...

Velita

Visitar-te...é sempre um prazer, uma tonalidade verde que me corre nas veias.

...Abro todas as minhas janelas...

Beijo
Francisco

maripoza said...

Adorei :)

Sempre a surpreender :)

Beijinho

Baila sem peso said...

Não é hábito responder
com palavras de outros no dizer
mas achei interessante este divagar
que aqui enfeitaste no teu estar:
"Mentiram-me. Mentiram-me ontem e hoje mentem novamente. Mentem de corpo e alma, completamente. E mentem de maneira tão pungente que acho que mentem sinceramente. Mentem, sobretudo, impunemente."
[Affonso Romano de Sant'Anna]
Não tem a ver com teu tema
mas hoje achei lindo este lema :)

Bom fim de semana
beijinho

Huma Senhora said...

Também posso jogar?
Conhece o livro cujo titulo é quase quase igual ao do seu blog?

Ana. said...

Adoro Clarice e ela conseguia dizer tudo!

Beijinhos, bom fim de semana!

Mateso said...

Na verdade juraria que tinha comentado, aliás tenho quase a certeza, todavia...bem as respostas esão lindas e aquilatam muito da tua personalidade.
Fico feliz pelas respostas.
.................
Andreia, menina dos olhos de água, não fazia a menor ideia!
Bjs.