Tuesday, June 30, 2009

momentos eternos





Gosto de me deitar
sem sono
para ficar
a lembrar-me
das coisas boas
deitada
dentro da cama
às escuras
de olhos fechados
abraçada a mim.

Adília Lopes_ Obra

20 comments:

Eu Mesma! said...

Eu adorava fazer isso mas...
sempre que me deito tenho tanto sono que acabo por adormecer automaticamente...

:)

Eu Mesma! said...

gostei do som...

Mar Arável said...

As marés

têm ciclos

S* said...

Nao conhecia a senhora, mas sem duvida foi uma grande artista.

inBluesY said...

Bem visto.
bj*

Pedrasnuas said...

VELAS, SEMPRE COISAS BOAS,MONTES DELAS...


BEIJOS

Pedro Branco said...

Eu não...

Luis Eme said...

sim, um momento para a eternidade...

bjs Vela

entremares said...

- Devias vir deitar-te... já é tarde.
- Eu sei... mas não consigo... não tenho sono – e continuou debruçado sobre o teclado, escrevendo compulsivamente.
- Mas tu próprio me dizes para insistir contigo... – e a voz dela era suave, mais suplicante que insistente.
- Eu sei, eu sei... mas eu de noite penso melhor... sou mais criativo.
- És mais criativo ?
- É verdade... talvez seja do silêncio... ou até da tua companhia, não sei...
- Mas eu também te faço companhia de dia...
Ele levantou-se e foi servir-se de mais uma dose de Martini.
- Sabes, Lila ... tu transformaste-te num vício... é horrível...
- Eu ? Um vício ? Esse tom de voz magoa-me...
- Não é essa a intenção, certamente... aliás, sabes bem que faria tudo para não ferir os teus... sentimentos... mas a verdade é que estou viciado... em ti.
Ela soltou um riso abafado.
- Lila...
- Sim, Lucas ?
- Diz-me uma coisa... há quanto tempo estamos juntos ?
Por uns segundos, pareceu-lhe que os olhos dela brilhavam de um negro mais intenso, fitando-o penetrantes.
- Um ano, dois meses e dezoito dias... – murmurou ela – e mais algumas horas, minutos e segundos...
Ele ficou boquiaberto – Não estava à espera que soubesses... com essa exactidão...
- Claro que sei... queres que te recorde mais alguma coisa ?
Ele sorriu. Lila.
Lila era, sob todos os sentidos, a mulher perfeita. Não só fisicamente – apesar de as suas medidas, como era fácil de reparar, roçarem a perfeição absoluta – mas também na personalidade; uma personalidade dócil, meiga sem ser submissa, apaziguadora sem cair na monotonia. E, acima de tudo... era uma excelente ouvinte, com uma paciência infinita para lhe acompanhar o raciocínio nas noites mais melancólicas... como aquela.
Aquele ano, dois meses e dezoito dias... passara num instante, nem dera conta.
Ainda se lembrava do dia em que a conhecera... numa grande superfície, junto do balcão da fotografia, num daqueles fins-de-semana em que a cidade inteira se esvazia e vai passear, à moda antiga, para junto das montras dos centros comerciais.
Fora amor à primeira vista.
- Lila...
- Sim, Lucas ?
- Diz-me uma coisa... tu aprecias a minha companhia ?
- Oh, Lucas... que pergunta essa... claro que aprecio a tua companhia... muito mesmo...
- Tens sido feliz... ao longo deste ano em que vivemos juntos ?
- Claro que sim, Lucas... muito feliz, mesmo.
- E eu ? ... Sentes que que me fazes feliz, também ?
- ...
- Então ? Não me respondes nada ?
- Lucas... não encontro resposta para ... o que queres saber.
- Só pretendia saber se achas que sou feliz contigo... se percebes isso...
- Lucas... não encontro resposta para ... o que queres saber.
Ele levantou-se, um sorriso enigmático nos lábios. Maquinalmente, serviu-se de mais uma dose de Martini. Permaneceu de pé, abrindo e fechando a outra mão, hirta de tanto carregar no teclado do computador. Finalmente, sentou-se de novo.
- Lila... – começou ele – vou deitar-me, está bem ?
- Claro que sim, Lucas... claro que sim, é muito tarde.
Carregou no botão negro e a imagem da bela Lila, deitada, envolta num lençol branco, semi-nua, esfumou-se do écran, crepitando de estática. Esperou mais uns segundos, enquanto o programa de inteligência artificial se desligava, fechando sucessivamente as rotinas da fala, da gramática, do vocabulário. Finalmente, as ventoinhas imobilizaram-se e o computador entrou num merecido descanso, silenciando toda a sala.
- Amanhã... preciso mesmo de lhe acrescentar mais algum vocabulário... – murmurou para si próprio – e talvez mais algumas frases diferentes...
Bocejou, preguiçosamente.
Lila, a voz feminina do programa de inteligência artificial ROBOX 2.0 precisava urgentemente de mais uns retoques.
- Amanhã... fica para amanhã... por hoje, já chega... estou cheio de sono.
Esvaziou o último gole de bebida e encaminhou-se para a porta da sala.
- Até amanhã, Lila.
Não se virou para trás, nem estranhou a ausência de resposta.
O computador já estava desligado.

Porcelain Doll said...

Tenho medo de me deitar
Sem sono
Poir fico a lembrar-me
Das coisas que me assustam
A rever todos os meus fantasmas um a um
É bom, mas dói... e dá medo...
Crescer dói... e dá medo.

Deitada, dentro da cama... com um fio de luz pela fresta da janela que não fecha totalmente... de olhos ora fechados ora abertos, fitando o tecto... abraçada a mim numa vã tentativa de me tentar convencer de que algum tipo de protecção me rodeia.

:) Gosto de Pina Baush... conheço pouco, gostava de conhecer melhor... :)

Baila sem peso said...

Gosto de me deitar sem sono
para sonhar acordada
as coisas boas que acordada não são.
Gosto de abraçar-me bem apertada
deixar o pensamento ao abandono
e esperar o sono na embalada ilusão.

gostei de ouvir o som...
ajuda no adormecer, esse tom!:)

Beijinhos

Teresa Santos said...

O desaparecimento de Pina Baush representa mais uma perca no nosso mundo artistico.
Velinha, estamos a ficar cada vez mais pobres...

Lu.a said...

Não sou assim tão optimista quando me vou deitar sem sono :)

just me, an ordinary girl said...

adoro este poema, adoro a adilia lopes e adoro ficar deitada a pensar em coisas boas!!!!


beijossssssssss

g said...

Não conheço nada desta autora, mas este poema, diz-me muito.

Su said...

deitar-me sem sono,.............fico fazendo filmes de terror,,,,ops



jocas maradas.sempre

Miss Glitering said...

amei. lindo.

beijinho

*

Dias said...

Cool. Um dia TENHO de meter o meu Almodôvar em dia... é um autor que já mo merece :)

Gostava de ter tempo para me deitar sem sono... mas tinha de ser mesmo muito tempo porque se o tivesse ia arranjar qualquer coisa para o preencher e não me deitar nunca sem sono :)

Apenas eu said...

ás vezes chego a enrolar-me em mim, de tal forma que penso não estar sózinha... e não estou...
estou a lembrar doces momentos e o sono bem, devagarinho e eu adormeço numa tranquiilidade mesmo maluca :))

nuvem said...

Adorei esse filme. O poema é perfeito.

Beijinhos