Monday, November 05, 2007


Porque é que este sonho absurdo

a que chamam realidade

não me obedece como os outros

que trago na cabeça?

Eis a grande raiva!

Misturam-na com as rosas

e chamam-lhe vida.

Jose Gomes Ferreira

21 comments:

Maria said...

Um génio da escrita, o José Gomes Ferreira....
Obrigada, vela

Beijo

Isabel said...

Se a vida fosse sonho, raiva e rosas não era já tanto?
Mas o sonho engloba tanto mais, mas a raiva vem tão de dentro, mas para sentir as rosas é preciso tamto que se a vida for feita de sonho raiva e rosas a vida é imensa.
Enquanto conseguirmos ver rosas misturadas na raiva a nossa vida é linda!

Um grande abraço


Isabel

*©õllyß®y said...

´Sonho é utopico, mesmo que absurda é vida...que plntamos...

Doce bjca

melgadoporto said...

É ousar, mas juntaria estes “fragmentos” de dois dos seus poemas:
“Eis a grande raiva!
Misturem-na com rosas
e chamem-lhe vida.”
E
“Vai-te, Poesia!
Deixa-me ver a vida
exacta e intolerável!”
:) que quase sempre é…

pin gente said...

nunca tive um vestido amarelo apesar de ser a minha cor preferida.

beijo

little_blue_sheep said...

...bonito!...
*

Dias said...

Se os outros sonhos fossem comandaveis, sonhos não seriam.

Beijo

Leonor said...

Eu gostei de um livro com um título assim!

Lindo.

isabel mendes ferreira said...

Misturam-na com as rosas

e chamam-lhe vida.



________________________.



um abraço.

Paulo said...

Adorei o conjunto de foto / texto.

Parabéns!!!

*

Oliver Pickwick said...

Um blog multimídia, Velas, com muita informação interessante e, sobretudo, as suas poesias e textos.
Destaquei "Viver todos os dias cansa" como a minha preferida, se não se importa.
Voltarei outras vezes

Pearl said...

Talvez porque este sonho chamado realidade, seja uma realidade e a realidade do sonho é que seja o sonho...
Talvez...
:o)))***

pn said...

pois...
o real é um poldro indómito num carreiral inclinado de um cerro agreste...
o sonho é uma bela praia ao luar de julho...
conjugá-los é mais espinhoso que caule de rosa silvestre...
a vida...
um real temperado a sonho, esse condimento do inconcretizável, a dar um sabor, que acordados, se torna em enxaqueca mal curada...

Diogo Ribeiro said...

Sorte a tua, quando os sonhos te obedecem. Persigo os meus e eles rejeitam-me apesar de tudo que faço por eles.

maria josé quintela said...

é preciso fazer a triagem: pétalas para um lado e espinhos para o outro. depois, abusar das pétalas.

vida de vidro said...

E olha lá que ele conseguia que os outros sonhos lhe obedecessem... :)
Fantástico, José Gomes Ferreira! **

Su said...

adoro este poema

amei reler ...aqui

jocas maradas...sempre

poetaeusou . . . said...

*
Ah! Como te invejo,
p�ssaro que cantas
o sil�ncio das plantas
-- alheio � tempestade.
Vives sem ch�o
ao sol a cantar
a grande ilus�o da liberdade...
(...com algemas de ar.)
*
in-Jos� Gomes Ferreira
*
conchinhas
*

tufa tau said...

queria que a vida te obedecesse?
que monótono! bem, por vezes daria jeito, mas...
deixa que o amanhã venha sem que o conheças. adivinha-o apenas, guarda a raiva... quantas vezes irás acertar! e quantas outras tantas não!

beijo

Rain said...

Imagem fantástica... Palavras geniais.

saudosista do futuro said...

brutal. palavra e imagem.


___________
___________________

agora estou menos
mas vou sempre estando.