Tuesday, June 06, 2006

Silêncio



O Silêncio

Eugénio de Andrade

Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,

e o sono, a mais incerta barca,
inda demora,

quando azuis irrompem
os teus olhos

e procuram
nos meus navegação segura,

é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,

pelo silêncio fascinadas.


Deve ser por tudo isto que adoro o silêncio, não aquele que é forçado, mas o que nasce de mim naturalmente e que tanto prezo!
Talvez este bloggue sirva para me ouvir a mim própria, Sei lá.............................

8 comments:

Desassossego said...

pois, o silencio deve mesmo servir para nos ouvirmos...

eco de mim said...

o silêncio tb é bom, embora as pessoas o temam... =)

inBluesY said...

"Se soubéssemos quantas e quantas vezes as nossas palavras
são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo."

O.W.
____________
jinhos :D

Isa Calixto said...

Em silêncio aqui venho...deixo um beijinho...em silêncio vou já saindo.

Pelo poema...de novo silêncio, em troca de palavras fascinadas.

POPEYE said...

o silêncio e a paz são por vezes palavras tão parecidas.

Bjs

Delfim Peixoto said...

O si`^encio, as vezes, diz-nos mais que mil palavras...
Bjnhs doces

greentea said...

por acaso é nisto que falo - deacelerar para pensar, repensar e gasar o tempo não o perder.

Lindo o poema.
um beijo.

the postman said...

O silêncio vale pelo que as palavras não conseguem atingir. Esse silêncio de que falas é uma dávida! É a nossa segunda voz que nos sussurra misteriosamente....