Sunday, December 17, 2006

As crianças e a SIDA

"Em 1984, Patricia e Loren Broadbent adoptaram uma menina de nome Hydeia, que tinha sido abandonada no hospital aquando do nascimento, por uma mãe viciada em drogas. Patricia e Loren estavam certos que podiam dar lhe uma vida melhor e principalmente o amor, a protecção e a orientação que todas as crianças necessitam e merecem. Decorria 1988, Hydeia tinha então quatro anos, quando se soube que estava infectada com HIV desde o nascimento. O prognóstico era o pior, não viveria após seu quinto aniversário. Esta menina , tinha 8 anos quando junto de Michael Johnson, também portador do vírus, confessou “Só queria ter uma vida normal”.
Agora doze anos mais tarde, não só Hydeia ainda está entre nós, como foi uma activista internacional no congresso da SIDA em Toronto, ao lado de Kofi Annan, e ainda mais notável, é uma teenager típica. Nesse mesmo congresso pediu a todos :
“Não rebentem com os meus sonhos. Eu sou o Futuro. E tenho SIDA!
É entre a primeira geração das crianças com SIDA para quem a ciência mudou as probabilidades - a primeira geração para quem Viver é uma possibilidade e não apenas um sonho. Esta é a história de uma doença para que não há ainda nenhuma cura. Mas é também a história de uma família que vive com SIDA e de uma mãe que fez e faz tudo que está na sua mão para dar, o que era então impossível, uma vida normal a Hydeia. Querem prova de amor maior??"
(
You Get Past the Tears)




Talvez o Natal, mas o artigo que li na Visão sobre as crianças portadoras de HIV deixou me mais sensível, se é que é possível medir sensibilidade...

As crianças portadoras de HIV, de ontem , são adolescentes ou adultos "vintinhos", de hoje.Existem meninos e meninas, a quem a ciência e o amor, lhes deu Vida que estão hoje na faculdade, casados e com filhos ou voluntários na associação que os apoiou quando outros lhe viraram a cara.

A Associação Sol tem procurado, nestes últimos oito anos, dar a estas crianças infectadas com o vírus HIV, o carinho, a auto-estima, os cuidados de saúde e alimentares que não teriam se não fossem apoiados. Muita brincadeira, e uma "vida o mais normal possível": este é o lema da Casa Sol, que viu este ano cinco crianças, "donos da casa", irem para a escola pública, onde estão a frequentar o 1º ciclo do ensino básico. Uma integração normal já que o trabalho da Sol com a comunidade local tem sido feito ao longo dos anos e levou a uma aceitação destas crianças por parte de todos os intervenientes num processo de ensino: professores, pessoal auxiliar e pais.A maioria destas crianças foi abandonada pelos pais, um abandono que é feito, na maioria dos casos, logo nos Hospitais.Mas a Associação Sol também funciona como Centro de Dia para mais de 100 crianças infectadas pelo vírus HIV, que vivem com as suas famílias mas passam o dia na Sol. Esta é uma maneira que a Direcção da Sol encontrou para ajudar estas mulheres a refazerem as suas vidas, sendo que, nesta altura, são sete as mães que trabalham na Sol.A associação vive praticamente só de donativos, angariados na maioria das vezes pelos membros da Direcção (e toda a ajuda é sempre pouca, quando tratamos do bem estar de crianças doentes). Claro que não bastam os brinquedos. As ajudas têm de passar por bens alimentares, roupas, bens de primeira necessidade e dinheiro para os medicamentos. Com oito anos de vida a Sol recebeu do Estado "apenas cerca de 36 mil contos de ajuda financeira", o que leva Teresa Almeida a acrescentar que ainda não há mais Casas Sol, espalhadas pelo país " porque não há dinheiro nem para as construir nem para pagar ao pessoal que seria necessário para as manter".Que nome dar a um país que não cuida da suas crianças ??

Li nesse artigo que:"Daqui a 10 anos a quantidade de órfãos de Sida vai ser tão grande, que temos de encontrar hoje a resposta para esse problema". Por outro lado cada vez se aumenta mais a longevidade da vida das crianças devido aos novos medicamentos e por todas estas razões torna-se urgente começar a criar condições para acolher e dar apoio a estas crianças e às suas famílias.

São um de nós, mas com a diferença que são mais fortes, apesar de serem apenas crianças, que fazem um trabalho para toda a sociedade: abrem caminho para a diferença, aprendendo a dar a cara, a dar a Vida...

É preciso acabar de vez com a confusão, a falta de informação e discriminação que se gerou à volta da questão da SIDA.Como diz Lino Rosado, médico da associação SOL, "Eles fazem tudo.A única diferença nas suas vidas é que tomam medicamentos à manhã e à noite". Eu acredito...

São apenas crianças...

mas não imaginam o respeito que lhes tenho!

[Naniôra_Mário de Cesariny( a ver no Museu da Cidade)]

13 comments:

A said...

...e é uma vergonha o que vai nas cabeças de algumas (muitas) pessoas, nomeadamente a comportamentos que adoptam perante alguém que esteja infectado com o vírus.

Tudo o que as pessoas desconhecem, temem, e é nessa temeridade apoiada na ignorância que constitui o maior alicerce de injustiça e dor na nossa sociedade.

Portugal é retrógrado, mas os EUA são ainda piores nesse sentido.
Soube recentemente de um caso de alguém que não pôde viajar (em trabalho) para NYC por estar "contaminado"... eles não deixam, simplesmente, um europeu portador do vírus, viajar para lá.

Bravo pelo post.

As crianças são de facto o melhor do Mundo e toda a dor lhe deve ser minimizada...

Beijos
(essa sinusite? melhor?)

Teresa Durães said...

Bom dia

A SIDA em ortugal é um problema porque não foi ainda aceite. Principalmente por isso, na minha opinião


melhoras para ti

beijos

Miudaaa said...

Arrepiante e de uma sensibilidade bonitaaa, estas tuas palavras e todas as palavras que foste buscar como as de Mario Cesariny.

Mas como sempre me habituaste a vir aqui e a encantar-me com a tua forma de ser... vou num pé para voltar noutro, já já... BOAAA

Um beijo da miudaaa_criança

(a música é uma delícia)

Cris said...

Preconceito é uma coisa horrível, ignorância sobre um assunto de tamanha importância é crime, quanto mais quando isso pesa nuns ombros tão frageis como o de uma criança. Bem questionado e bem alertado, é bom que todos abram os olhos e deixem de lado as picuinhices!

Um beijo

Cris

delfim peixoto said...

Jnhs... e definitivamente, as Crianças, infelizmente, continuam a ser as vitimas mais fáceis..
Bom Natal

Jotabê said...

Gostei muito do teu post, não há muito para dizer, quer dizer até há, mas para comentar teria de falar mal, enxovalhar o governo, ou uma instituição qualquer, e como não me está a apetecer falar mal, enalteço apenas o carinho que demonstras por temas sensíveis, como este das crianças infectadas com HIV, e tudo o que lhe está associado.
_______________________

...e tens razão, é difícil perceber o ser humano.

:)

Beijoca e Bom Natal

Anonymous said...

Fantástico!

Essas crianças são uma lição de vida para toda a gente!

Bjinhos :)

naoseiquenome usar said...

A ciência tem ajudado bastante no combate a este flagelo para que ainda se enão encontrou cura, sendo que, talvez quando fôr encontrada, lhe suceda uma outra igual ou mais terrível.
È por isso, que se exige de cada um de nós a ajuda mais qure possível, o esclarecimento e o acolhimento.

E sim, o melhor do mundo são as crianças. As que nasceram com HIV/SIDA e todas as outras, por vezes tão negligenciadas.

Miudaaa said...

Passei por AQUIII, um beijo !!!
esta música, deixa-me a flutuar!!!

Giorgia said...

voltei, amiga... e adorei o post de hoje! Sinto-me impotente e tao egoista quando leio estas coisas!

beijo enorme

Conceição Bernardino said...

olá,
adorei o seu cantinho vou vir aqui mais vezes transmite paz e calma
beijinhos
Conceição Bernardino

amadis / pintoribeiro said...

Excelente post. De ler e reler. Bom dia, abraço,

david santos said...

Olá!
Muito bom. Adorei.
O Mário, jamais morrerá.
Abraços.