Sunday, November 09, 2008

sinto me no mundo assim...

Eu

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem sorte,
Sou a irmã do sonho, e desta sorte,
Sou a crucificada...a dolorida...
Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...
Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...
Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca, Livro de Mágoas
[Parece que o meu mundo está cada vez mais ao contrário....que ninguém me encontra...]

19 comments:

Maria said...

Florbela foi uma incompreendida... por amar demais...
Será que se ama demais, alguma vez?
(Ver o mundo de pernas para o ar também já me aconteceu, mas passou...)

Um beijo, Vela

AnaMar said...

Ando a reler Florbela Espanca...Será por isso que também me sinto um pouco assim?

Bj

O Espírito do Tai Chi said...

Ler Florbela Espanca é "sentir" a alma do Alentejo. (falo porque também eu sou alentejano).
Não é por acaso que o Alentejo tem nos seus cantares quase que "um lamento"...
Um bom inicio de semana!...

António Serra

Carracinha Linda! said...

Espero que entretanto já estejas com os pés assentes na terra e que vejas tudo da persperctiva certa.

Beijinhos e boa semana!

maripoza said...

Adoro Florbela Espanca..

Também eu me vejo assim no mundo... e espero ansiosamente que um dia volte a ter o meu mundo "às direitas" porque confesso que já estou a ficar um pouco "enjoada" deste tanto estar de cabeça pra baixo...

beijinho esvoaçante

Pierrot said...

Hoje este poema bate-me como nunca
Senti
Beijos daqui, saudosos...
Pierrot

melgadoporto said...

Assim me sinto!
Temos pena… diriam.
Mas assim me sinto… desnecessariamente.
:-)

maria josé quintela said...

posso dar um empurrãozinho?


:)


beijinho.

Apenas eu said...

Florbela Espanca, poderá dizer-se que é o sofrimento e a angústia em forma humana...
Os poemas são sempre muito profundos e tristes.

A frase que levo daqui comigo é esta:
"Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!"

E Tu vela, sentes assim agora amanhã é outro dia. é preciso força para contrariar esta têndencia.

beijos

said...

Não há dúvida de que Florbela Espanca entende (quase) todas as dores.

(K)

Dias said...

Essa tal Florbela tem o dom de se dizer como poucos...

E a ti, perdoa-me o excesso de to dizer mas: Maomet e Montanhas...

Montanhas de beijos grandes

Lu.a said...

A florbela Espanca era assim um bocadinho para o deprimida... :S

Annie said...

As vezes o meu mundo fica de pernas para o ar, mas logo volta ao sitio. Sao fases. :) *

Nogs said...

Florbela... Foi pelos seus poemas uqe me apaixonei já desde há muitos anos.

quanto ao mundo, querida vela... Faz o pino e voilà, já fica de novo direito;)

BeijOOO

mfc said...

O desencontro feito arte!

miak said...

Não desesperes. Isto demora.

passionatta said...

[Parece que o meu mundo está cada vez mais ao contrário....que ninguém me encontra...]
...o teu e o meu...beijo meu

hora tardia said...

sim!!!!!


pode ser doce....o sangue.




:))))


beijo.

poetaeusou . . . said...

*
espanca,
no seu melhor,
,
conchinhas
,
*