Wednesday, March 11, 2009

hoje não tenho palavras

only love can leave such a mark
But only love can heal such a scar
[magnificent-U2]



hoje não tenho palavras.não tenho sorrisos.não sei.é que não tenho mesmo.as palavras, talvez por momentos, fugiram de minha necessaria e persistente vontade de as ter só para mim. ter palavras para mim é como deter o tempo.o mundo.vontade de ter.
nestes momentos o coração fica aos pulos. de coração tem pouco.no fundo, bem no fundo de mim, é cor e acção[coração] juntos num único corpo pulsante, cheio de vozes e silêncios misturados com o sangue das veias que ainda tenho. pequenino mas já esquartejado. como um pedaço de carne. uma carne que já cheira mal mas ainda pede para ser ouvida. sem resposta. o meu coração é de um vermelho esbatido e de formato estranho. está em pedaços ainda que inteiro. ou esteve inteiro, por pouco tempo, muito pouco tempo e se reduziu a pó.porque?talvez porque as pessoas que por mim têm passado, trespassem sem que nunca tenha sido possivel dete las e por isso se tornem apenas fragmentos dispersos na minha vida.como as palavras que hoje não tenho...
mas é bom brincar com as palavras. com elas fazer jogos. é desafiar me a mim mesma. escrever muitas palavras soltas num papel e tentar fazer delas uma frase, dando lhes ordem, dando lhes sentido.mas será?que mesmo que dando uma ordem às palavras, estas ganham necessariamente um sentido?ou será que tenho o dom de fazer exactamente o contrário, deter o sentido. loucura? no meio destes 34 anos de vida já perdi muitas histórias e poemas e ganhei demasiados gritos e escaras neste mundo.hoje não tenho palavras.

48 comments:

Maria said...

Queria dizer-te que te entendo, queria dizer-te que amo Léo Ferré, que este Avec le Temps é muito especial, mas não tenho as palavras adequadas.

Deixo-te um abraço muito apertado
e um beijo

Baila sem peso said...

Como também hoje já as esgotei...
por aqui me sentei...
Avec le temps...só com o Simão o escutei...
não sei se ele entendeu ou não...
mas decerto por aí, tem a patinha dele na tua mão!

Um xi apertadinho...está mais que na hora de fazer dois óós, como diria o meu gatinho em pequenininho :)

vício said...

é tentando adicionar um pouco de vida às palavras que elas, todas juntas, ganham um sentido!

PS - essa parte do cheirar mal... não se resolvia com um banho?

Eu mesma! said...

Como eu te entendo...
quando olhamos para trás... e eu estou com 32 anitos.... só nos conseguimos lembrar das dores e das mágoas...

tivemos dias felizes e talvez já tenhamos sido felizes mas... as dores são mais fortes...

um grande beijinho com força....

Dawa said...

"only love can leave such a mark
But only love can heal such a scar"
Digamos que só isto já diz muita coisa... pelo menos para mim.

Beijo grande e continuação de boa semana!

Maria Papoila said...

Nada como o tempo para curar as mágoas. Hoje é o dia para as curar.
O sol de amanhã vai iluminar essa cara linda e fazer-te uma carícia no teu sorriso.

Lita said...

Ainda como resposta... a minha mão está aqui... :)

Um abraço.

Sea star_ Hannanur said...

OLá Vela

"talvez porque as pessoas que por mim têm passado, trespassem sem que nunca tenha sido possivel dete las e por isso se tornem apenas fragmentos dispersos na minha vida"

conseguir dete-las é dificil
mas será que a vida não é bem mais interessante pelo numero que por nós passa? aprendemos muito mais

e quem sabe, quando já não esperamos,alguem fica...

quanto às palavras, hoje também não as tenho.é um dia triste para mim.

hug

just me, an ordinary girl said...

um beijinho

mateo said...

Imagina tu o que será quando as tiveres...
E não necessitam sempre de ter sentido.
É nos momentos extremamente felizes que elas não fazem sentido nenhum!
Não precisamos delas para nada.
Lembras-te, vela?
Beijo

Eumesma said...

E a minha mão tb, ás vezes acho que és/serás tão parecida cmg, há tanto no que escreves que me identifica...
E não sabia que aquele tb era a história da tua vida...:-(.

Mas cada dia é um novo dia e traz sempre com ele pelo menos a promessa de algo de melhor.

Fica bem

A said...

Faz o exercício da lista de coisas boas. Olhar para trás e perceber tudo o que aprendeste.

Não dês importância ao que ficou ou a quem ficou perdido no tempo. Não te percas a ti mesma. Valoriza-te e sorri. Um sorriso desperta mais a atenção que uma lágrima, a tua própria atenção.

Olha para a frente. Vê a sorte que tens em estar vida, dá-te todas as oportunidades pois tens todas as possibilidades em aberto, um mundo a descobrir.

Beijinho grande

A Verdade apanha-se com enganos... said...

não sei se acreditas, mas olha o que diz o teu signo para hoje :)

"Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo: Nem ele me persegue nem eu fujo dele, um dia a gente encontra-se " (Mário Lago) E vamos encontrar-nos ao vivermos um dia de cada vez."

parece-me bem!não achas? ;)

beijinho

Teresa Durães said...

nem sempre existem palavras mas um dia regressam como se tempo nenhum tivesse passado

PavlovDoorman said...

Ó Menina Velinhas, não fique assim. Para o ano pode ser que ganhem um joguito na Champions... :P

Beijinho Amiga

Rebirth said...

Espero que não te identifiques muito com o texto que nos deixas aqui... porque é uma história muito triste, a que nos contas... diz-me, Vela, o que é isso de as palavras ganharem sentido? Não será a vida, não será o caminho que seguimos que pode encontrar ou não um sentido? As palavras meramente contam ou exprimem um sentido que não é o delas mesmas, mas sim o sentido que imprimimos ou não à vida que vivemos, conforme a vivemos... e é esse o sentido que devemos procurar, e podemos fazê-lo de mãos dadas com os outros, mas temos sobretudo de o fazer de mãos dadas connosco mesmos... há momentos em que é melhor desligar e começar novamente... porque um coração que continua a pulsar não está verdadeiramente desfeito em pó... e há tantos ouvidos, que vale a pena continuares a tentar que te oiçam...

P.S. está um dia bonito, já reparaste?...

I. said...

Há sempre dias felizes à nossa espera. Acredita!

Abracinho :)

Sanxeri said...

Todos temos momentos assim, mais difíceis de ultrapassar. Daqui a uns tempinhos o sol volta a brilhar...

Teresa Santos said...

Velinha,

Visitei-te mas passei. Não me detive, não me detenho. Egoismo? Talvez! Acho a vida demasiado bonita para que possamos, um dia sequer, ficar sem palavras...

Bj

Teresa Santos said...

Tive que voltar.
DESCULPA se fui dura contigo, mas a minha primeira reacção foi uma vontade louca de te abanar e dizer-te, bem alto: "Vive, Velinha, Vive plena e intensamente, vive o Sol, vive a Amizade, vive. Apenas e só, VIVE!

Chinezzinha said...

Vá...Vela. Não fiques assim.
Hoje esteve um dia lindíssimo. Esteve e ainda está.
Caminha um pouco e sente na face o ar da Primavera.
:)
Beijinho

Desconhecida said...

Ás vezes as palavras estão a mais...e pode ser tão bom, porque em tudo há sempre um lado bom.

Um beijinho

PreDatado said...

Eu por acaso também não encontrei palavras para comentar o post, provavelmente por não fiz uma lista delas e as alinhei, mas tenho ouvidos para lhe agradecer o facto de acompanhar este post com o Leo Ferré e em particular com o Avec Le Temps.

Lídia said...

... às vezes é melhor que as palavras não saiam. Quando tiveres de as pronunciar estarão carregadas de força. bj e obrigada pelas constantes visitas.

Apenas eu said...

Vela, li-te duas vezes, para que nada me escapasse. nenhuma palavra ficasse perdida em mim ou em ti.
essa sensação de coração desfeito, ou até a ideia ou a pergunta se ele existe? é perfeitamente normal. o meu já teve mais certezas, já amou muito mais, já pulou muros tão altos... acho que faz parte do chamado crescimento... que por acaso eu até nem gosto da palavra.
Mas com o passar dos tempos percebemos que podemos sempre voltar a amar com ou sem palavras, apreciar os momentos, e acima de tudo a aceitar que não há pessoas perfeitas, que vamos amar sempre, cair, voltar a levantar.
Mas há uma coisa muito importante Vela, nunca deixes que alguém seja dono do teu sorriso, que seja a razão da tua vida. Ama muito, mas ama-te primeiro muito a Ti.
bem já escrevi um missal.
talvez porque me encontrei nas tuas palavras...

Beijo e abraço apertadinho ah! e um sorriso.

meus instantes e momentos said...

está na hora de ganhar muitas historias e poemas, os gritos se foram.
Acredite.Sempre.
Maurizio

RJAP said...

Boas... Felizmente a blogosfera dá-nos liberdade para poder dizer toda a porcaria que entender-mos e achar-mos conveniente, sem ter de estar a agradar a ninguém. Infelizmente tenho perdido a vontade de fazer tal coisa e cada vez mais encaro o blog para um depósito de algumas coisas que só a mim me dizem respeito. É certo que o blog é público mas o conteúdo tão pouco e por isso mesmo desde à uns tempos que nos meus blogs deixei de publicar os comments e guardo-os para mim, tanto os bons como os muito maus que são alguns. Agora a questão é: porque é que resolveu fazer este comment que sugere mais um ataque pessoal a pedido de alguém em vez de ficar no seu canto a rir-se da estupidez dos meus ditos?
Isso é mais algo contra do que propriamente pela inutilidade da minha má escrita que uma vez que não emito grandes e controversas opiniões acerca de nada nem ninguém, não entendi de facto o contexto.E sim, sou burro e maricas, mas ainda bem que há alguém melhor para me o dizer.

RJAP said...

Ah, e parabéns pelo seu estimado clube. 7-1 não é mau... poderia ser bem pior!

Bruxinha said...

Só te posso dizer que te entendo muito bem :(

Jinhos

isabel victor said...

vim assistir ao jogo das palavras, no magnífico teatro das intermitências da luz (das velas)






iv*

Pedro S. Martins said...

Estarão numa incubadora. Assim, quando saírem, sairão fortalecidas.

E por este texto, fica provado que várias andam à solta.

Rebirth said...

[…]

Realise you’re not alone
Realise your fire’s still burning
All the love is in your heart now
Find the one and make the start now

Memories, they hold you there
In that place without a care
Holding out for one last chance

Your life will turn
The words you’ll find
The path to love
That love to bind

Hold on… Hold on…

ONE DAY
THE FIRE
WILL BURN SO BRIGHT
THE LOVE
YOU’VE LOST
WILL FIND
THE ROAD TO YOUR HEART AGAIN…

[…]


…from a song by the Progressive Rock band “Magenta”…

via said...

dar-lhe-ei então eu um nome: chamar-lhe-ei MElancolia e tudo se conjuga assim para a dizer.

Su said...

hoje, sem palavras..eu


jocas maradas,sempre

Melga van Porto said...

Deste juntar de palavras que aqui leio retenho:
“…ter palavras para mim é como deter o tempo…”
“…nestes momentos o coração fica aos pulos…”
“… será? Que mesmo dando uma ordem às palavras, estas ganham necessariamente um sentido?...”
“… hoje não tenho palavras…”
Porque as retenho!
Porque, hoje bem cedo, fiquei sem palavras…
:-)

Luis Eme said...

Mentirosa!

tantas palavras que tens...

e não escreveste todas.

bjs Velas

inBluesY said...

olha bem, Velinhas, TU abre bem esses olhinhos fantásticos, e VÊ tudo que tens de bom, e valoriza esse teu olhar.

és linda Amiga

bjs*

Bandida said...

o nossso Ferré, querida velas. o nosso Ferré.


um enorme abraço!

Porcelain Doll said...

Ter seja o que for é deter o mundo... :-))

Excepto as pessoas... detê-las, das suas corridas habituais, dos dia-a-dias frenéticos, ou não,... despertá-las da alienação em que vivem mergulhadas... isso não é deter o mundo, é sim projectá-lo adiante!!!

Chega a ser um ultraje a forma como o meu coração vermelho, de feltro, sujo, aquele que nunca mais voltará a ser o mesmo... volta a ganhar a pujança de outrora e lançar-se novamente contra a parede... ou a escorregar novamente para o chão sujo e molhado, parecendo desejar mais sujidade... como se se sentisse purificado por essa mesma sujidade!!

As pessoas não se detêm... insistem em mostrar-nos as suas máscaras, com vontade de acreditar que são aquilo... querem convencer-se a si próprias e para isso tentam convencer os demais... quando aquilo que são é tão mais belo e mais significativo do que o que querem acreditar que são, simplesmente por medo de descobrir coisas terríveis... isso amarelece aos poucos o meu coração vermelho de feltro...

As palavras libertam-nos!! Permitam-nos gritar ao mundo as dores da alma e as mentiras das máscaras!!

Que belas palavras tu tens hoje... :-))) Hoje e sempre!!

Bjoka!!

RJAP said...

Tudo bem, escrevo mal. E depois?
Tenho pena de si... Sinceramente chegar aos 34 anos com as respostas nesse patamar deve ser frustrante. Pseudo-intlectuais que têm 3 respostas cuidadas no reportório e pensam que serve para tudo.
Oh minha senhora, ninguém falou na minha orientação sexual, apenas referi o facto de me ter chamado covarde e quanto a isso reafirmo-o. No entanto, também não é por umas trocas de palavras forçadas por 3ºs que lhe vou provar alguma coisa.
Com 34 anos acho que já podia estar num patim acima e conseguir deixar este seu direito de expressão que lhe foi dado em Abril de andar a comentar blogs de miúdos que escrevem porque apenas são parvos e como tal gostam de o dizer ao teclado porque este não os reprime com violência. Como tal o objectivo disso não é abrir fóruns de discussão com eloquentes de 34 anos que ainda por cima defendem o clubismo!
Deixe-me nas minhas infantilidades e tente aumentar o seu radar de opiniões. Portugal bem precisa disso, porque a direita dos cérebros da maioria impede o progresso e com os 34 anos de que tanto se orgulha poderia tentar ir mudar algo a maior escala.

as velas ardem ate ao fim said...

Adoro gente ridicula!Com nome de Porco!

Cruztáceo said...

http://2.bp.blogspot.com/_l6qwTdVFXFQ/SRSYITECN3I/AAAAAAAAA0M/jsaXSlGRzzw/s1600-h/porco.bmp

eu não tenho letras, estou binário!
que horror!

Finúrias said...

Existem dias assim, e são estes dias que nos fazem reflectir sobre tudo, e sobre o tempo que nos resta!

bela música

Finúrias said...

mas repara no mais importante: tens ali ao lado o Simão que te olha com o olhar que só ele sabe. Só eles percebem!

Black Angel said...

deixei...comentário.
bom fim de semana

Joana Carvalho said...

Um abraço bem apertadinho e um grande beijinho!!

Izzie said...

Quando as palavras te faltarem, procura o coração... Ele guarda imensas. E só deixa que as usemos quando nada mais temos como trunfo.

Um beijo.
Adoro os abraços que me dás quando estou mais tristinha. Muito obrigada.

Joana Homem da Costa said...

Sei isso tudo o que é...também tendo dias assim...sem palavras, sem sorrisos...
Que te dê alguma força saber que não és a única como a mim também me dá quando comentas os meus textos tristes! :)