Tuesday, March 31, 2009

um filme que não se esquece facilmente

Vi o filme “A onda” [Die Welle], alemão e baseado numa experiência real que ocorreu numa escola secundária nos EUA, em 1967. O professor de história Burt Ross quer explicar aos seus alunos a atmosfera da Alemanha, em 1930, a ascensão e o genocídio nazi. As perguntas dos alunos levam o professor a realizar uma experiência pedagógica arriscada que consiste em reproduzir na sala de aula algumas caracteristicas do nazismo: o slogan “Poder, Disciplina e Superioridade”, o símbolo gráfico para representar “A onda”, um uniforme (camisa branca) e uma saudação.
O professor declara se o líder do movimento da “onda”, obrigando à disciplina e faz valer o poder superior do grupo sobre os indivíduos. Os estudantes obedecem cegamente. No entanto, a tímida recusa de um aluno leva o a conviver com ameaças e exclusão do grupo e a questionar se sobre a experiencia que está a viver.
A escola inteira é envolvida no fanatismo d’A onda, até que um casal de alunos mais consciente alerta o professor de ter perdido o controlo da experiência pedagógica que passou para a realidade quotidiana da comunidade escolar.
O desfecho do filme é dado pelo professor ao desmascarar a ideologia totalitária que sustenta o movimento d’A onda e do fanatismo por uma causa.



O filme é bom, e ao invés dos EUA, a história desenrola-se na Alemanha. Mas há uma diferença fundamental. O professor, neste filme, é mesmo envolvido pelo aparente poder e fidelidade canina que seus alunos o devotam.Originalmente, o professor tem o total controlo do experiência e sabe exatamente onde quer chegar. O final do filme é trágico.

Eu adorei e recomendo.Principalmente, porque mostra como pessoas continuam a ser facilmente manipuláveis e como ainda hoje, uma das coisas que o ser humano mais ambiciona é o sentimento de poder e de integração.

14 comments:

vício said...

apesar de tudo ainda existem muitas pessoas que são capaz de afirmar "Isso nunca ia acontecer comigo" sem passar pela situação (seja ela qual for)

aplica-se a velha frase Nunca digas "desta agua não beberei"

despertaste-me interesse pelo filme

impulsos said...

Pelo que disseste, este será certamente, mais um a não perder.
Vou ali dizer ao Vício se ele me leva a vê-lo com ele...

Beijo

A.S. said...

Querida Vela...

Já me tinham falado deste filme. Agora vou ter que ir vê-lo!!!
Obrigado pela sugestão...


Beijos!

Vekiki said...

Vou tentar ver ;)

just me, an ordinary girl said...

hummm,despertaste meu interesse no filme.

um beijinho

CANHOTO* said...

Epá, tive mta mta pena de ter perdido esse filme no Cineclube de Faro.
Já tinha lido criticas mto boas qd o filme esteve em Lx. Grrrrr!!! Vou tentar "apanhar" o filme noutros circuitos...
Cumprimentos bloguianos

P.S. - Boa escolha, a musica do Antony;)

Baila sem peso said...

Filmes...uma perdição
mas é vê-los entrar em rol
que mais parece lençol...
acrescento à lista
hei-de ter tempo
para alegrar a vista :)

Obrigada pela sugestão!
Bjinho

I. said...

Já o vi há uns tempos, e adorei, até escrevi um post sobre. E é como dizes, é assustador verificar como a embriaguez do poder e necessidade/desejo de integração podem levar a situações trágicas.

:*

Roderick said...

Não sei o q s passa mas agora cada vez que quero ver o que quer que seja no You tube, dá-me sempre como não estando já disponível o que pretendo ver!!!!!
Tentei ver o trailer que aqui deixaste e mais uma vez... népia!


Então as molas? Ainda são laranjas?

Pedaços de Cereja said...

Já me tinham falado bastante bem do filme, parece que desta vejo mesmo :)

Beijinhos *

Maria P. said...

Este não é para perder mesmo!

Beijinho*

Carlos Barros said...

Tenho de «meter» os meus filmes em ordem, é um desespero...

Beijo

espero que gostes, se o adquirires - ladrão de Livros.

Chinezzinha said...

Vela,
Obrigada pela visita.:)
Não tenhas inveja.rsss Olha que as dores que sinto não são muito agradáveis.
Espero que estejas melhor.
jinhos

Pedrasnuas said...

Vou seguir as tuas dicas e
acreditar que vale a pena ver o filme!!!
Bjs