Thursday, April 02, 2009

hoje é dia do Conto Infantil


sou um cão já velho e chamo-me faisca. este nome deu-mo o manuel, porque queria por força que eu corresse muito depressa. mas o nome só ligava bem com o meu feitio enquanto eu era novo. nesse tempo apetecia-me, realmente, correr e saltar tão depressa que ninguem me apanhava. alguns anos mais tarde já preferia caminhar devagarinho em vez de correr, e agora gosto mais é de estar refastelado; no verão, a uma sombra fresca e, no inverno, ao pé do lume. acho, por isso, que o nome não foi bem escolhido: um nome não deve apenas ligar connosco enquanto somos novos e tornar-se ridiculo quando envelhecemos. ainda ontem ouvi uma menina rir-se às gargalhadas quando a luisa a informou de que eu me chamava faísca.
-este cão tão molengão chama-se faisca?-perguntou toda trocista.
mas, afinal, voces nao sabem quem são o manuel e a luisa.
vou contar tudo desde o principio. nasci numa aldeiazinha do minho. há quem diga que o minho é a região mais linda de portugal. os visitantes olham com interesse para as casas, as igrejas, as escolas e deliciam-se, demoradamente, com as árvores e as flores. nós, os cães, não sabemos bem distinguir entre regiões bonitas e feias. escapa-nos o que tem de especialmente bonito as arvores e as flores. gostamos mais é de cheirar a terra, de enterrar nela o focinho para farejar os bichos que vivem por baixo. farejamos assim porque conhecemos as coisas, os animais e as pessoas pelo cheiro. eu, quando novo, pressentia gente conhecida a grande distancia. o manuel admirava-se todas as vezes que eu sentia, antecipadamente, a sua mae chegar a casa, enquanto ele, mesmo pela janela, ainda não a via nem lhe ouvia os passos. as pessoas só descobrem que alguém se aproxima quando o vêem ou ouvem. mas muito antes disso nós ja o sentimos pelo faro. quase sempre, depois da chuva, o manuel saia comigo. era certo e sabido que, entao, dávamos com as minhocas. não gosto nada delas. são repugnantes de tão fininhas e escorregadias. mas acho engraçados os caracois. andam ainda mais devagarinho do que eu agora, que estou velho, e levam a casa às costas. quando lhes dava um empurrão com o focinho, assustavam-se e encolhiam-se logo para dentro de casa. mas os ouriços, esses ainda eram mais pândegos. como se fossem senhoras distintas passeavam sossegados na folhagem da mata. eram gorduchos, tinham um focinho bicudo e olhos pequenos. mas mal nós nos aproximavamos, enrolavam-se numa bola, não se lhes via nada: nem focinho, nem olhos, nem pernas. da primeira vez um ouriço pregou-me um bom susto. vi-o assim enrolado e apetecia me fareja-lo. mas não foi brincadeira nenhuma! aquela bola tão calma estava carregada de picos e fiquei com o focinho a sangrar. cheguei mesmo a atirar-me para o chão, de tão violenta dor. o manuel desatou numa gargalhada ao ver-me assim atrapalhado.
-bem feito, faisca, bem feito!-zombou.
.......
Faísca Conta a Sua História-Ilse Losa


E hoje não se esqueçam leiam um conto infantil, ou aproveitem para ler o resto deste que aqui vos deixo, tenham ou não crianças...até porque dentro de nós está uma que nunca morre!

20 comments:

Sanxeri said...

Tao bonito. Chamem-me criança, mas acho as historias infantis lindas lindas. :)A beleza da simplicidade.

Eu mesma! said...

Beijos minha linda :)

Beatriz Cró said...

Obrigada, do coração.
Hoje é dia de ser criança?

O Espírito do Tai Chi said...

Hoje "libertem a criança que há em vós"!...

Beijinhos,

António Serra

sunshine said...

"nome não deve apenas ligar connosco enquanto somos novos e tornar-se ridiculo quando envelhecemos." gostei desta parte. As histórias de adormeçer são das melhores recordações que tenho do passado :)
Obrigado pelo comentário.

just me, an ordinary girl said...

um beijinho

Daniel Silva said...

Dois liovros que parecem para crianças mas nao sao:

* O Principezinho
* Nao ha Longe Nem Distancia

tulipa said...

Rembrei esta história do faisca...
Um pouco da minha vida é contar histórias...
um abraço
tulipa

Apenas eu said...

Devorei este pedacinho do conto...
talvez porque goste de animais, talvez porque o Faísca tenha alguma razão no nome...
Vi um bocadinho a vida através dos olhos do Faísca, neste pequeno instante a criança que mora em mim, sorriu e é um conto enternecedor, vou tentar ler mais.

beijinhos Vela.

Carracinha Linda! said...

Velinhas,

Com ou sem contos, espero que tenhas um óptimo fim-de-semana!

Beijinhos

nat. said...

Gostei muito do conto...
gosto muito de ocntos infantis!

Beijinhos!

Teresa Durães said...

Coitado do cão.. :) infelizmente é necessário arranjar um dia para o conto infantil quando deveria ser todos os dias

Porcelain Doll said...

:-D Adoro contos e histórias infantis, leio-os sempre com enorme prazer e sou até uma aspirante a produzir alguns... Conheço este da Ilse Losa, a minha colega que lecciona Língua Portuguesa aproveitou uma aula de Estudo Acompanhado onde eu estava e leu-o aos miúdos... adoro a maneira de Ilse Losa escrever, mas aproveito para dizer que os miúdos não gostaram nem um pouco do final e ficaram com a lagrimita ao canto do olho porque o Faísca separa-se do Manuel... e vai parar a casa da mimada Luísa, porque ela, por ter dinheiro, o pode ter e o Manuel, como é pobre, não pode... ai, ai estas senhoras escritoras que escrevem muito bem mas não sabem fazer finais... traumatizam-me as criancinhas, é o que é!!

Beijinhos!!

veritas said...

E que nunca percamos o sorriso que ainda existe em nós, o nosso elo de ligação com o paraíso perdido, o que dá alento para continuar...

Bjs. Bom fim-de-semana.

Rain Sister said...

É preciso sempre mimar a nossa criznça interna. Beijinhos

Mar Arável said...

Simplesmente

delicioso

Sea star_ Hannanur said...

hug

good wk

Bruxinha said...

Adorei, vou ler sim :)

Lu.a said...

Bom fim-de-semana Bird Girl* :)

Salto-Alto said...

Que história tão gira!