Monday, January 11, 2010

um post tão longo mas tão longo que percebo que desistam a meio de o ler!

na 6ª feira, senti que pertencia a um país que ficou mais decente!
em que todos merecemos, pelo menos à partida, o mesmo respeito e temos os mesmos direitos.
a utopia de sermos todos iguais.
no sábado fui ao cinema.
impossível ficar indiferente a um murro no estômago!




"A estrada encontrava-se deserta. Mais abaixo, no pequeno vale, a linha sinuosa de um rio, estagnado e cinzento. Imóvel e de contornos bem precisos. Ao longo da margem, uma amálgama de juncos mortos. Está tudo bem contigo?, perguntou. O rapaz fez que sim com a cabeça. E então puseram-se os dois a caminhar no asfalto sob a luz metálica, cinzento-azulada, a arrastar os pés na cinza, e cada qual era o mundo inteiro do outro."[A Estrada– Cormac McCarthy]

no Domingo à noite li esta crónica na Noticias Sábado e gostei.
fez me rir.
apenas um comentário ...eu tenho 35 anos mas gosto de homens mais velhos,
sei lá !


O amor e as barragens
DIZEM QUE os rapazes novos gostam de mulheres maduras. E depois sabemos que os homens mais velhos se tomam de amores por raparigas mais novas. Percebi por fim por que há tantas trintonas solteiras…
Eu vejo muito encanto nos 30 – porque as mulheres crescem, lembram nostalgicamente a adolescência e algumas decidem voltar a ela… Outras, talvez pela proximidade dos 40, começam a coleccionar receitas e a descobrir que podem fazer camisolas ou almofadas.
Os homens aos 30 voltam a debruçar-se sobre o umbigo: é a idade da barriga e do ginásio. Traem, são traídos, separam-se, bebem cerveja e começam a gostar mais de vinho. Os homens aos 30 ficam mais tristes, as mulheres mais assanhadas. Deve ser também por isso que não coincidem.
As mulheres querem saber que idade tem o novo namorado da amiga. E se ela diz «31» tendo ela 32, é uma desilusão. Vidas normais sem chama. Nós queremos é que uma margem grossa entre os dois seja discutida ao jantar e que se façam palpites à medida que a garrafa avança: quanto tempo vai durar a relação? Com quem é que ele vai traí-la, como é que ela o vai caçar?...
Os homens talvez não tenham esta maledicência tão imediata. Os homens também querem saber a idade, mas sobretudo se é loira ou das outras (…) e se tem curvas. Já agora, o que é que faz. Porque o poder ou o dinheiro dela podem trazer problemas à camaradagem dos fins-de-semana. A autonomia de uma mulher põe em perigo a animação dos machos.
Nunca me lembro de alguma amiga ter perguntado o que fazia o «namorado» de uma de nós. Querem ver que as mulheres são mesmo românticas?
Eu, se ficasse solteira agora, não sabia muito bem para onde deveria olhar. Porque os mais novos de pele boa sabem menos e dá trabalho explicar-lhes tudo. Por outro lado, têm aquele ar fresco e os dentes brancos e dormem como se não houvesse amanhã. Eu tive alguns namorados que acordavam com um sorriso lindo que fazia esquecer algumas coisas, mas fora de casa podia ser constrangedor. Outros namorados tive que nunca acordaram. Há gente que dorme a vida toda…
Agora que reflicto sobre isto, penso que nunca experimentei devidamente a bancada sénior. Os tipos mais velhos podem ser aborrecidos com as desculpas dos filhos e do trabalho, não percebendo que enquanto estiverem de costas voltadas para a vida nenhuma desculpa os vai satisfazer. Eu acho que todos nós inventamos muitas razões para não nos divertirmos. Temos medo de pagar um preço alto pela diversão fora de tempo. (Como se houvesse idade ou altura para sermos felizes.)
Será que uma octogenária pode dizer que o marido – octogenário também – é imaturo? E o marido dirá que «ela nunca mais aprende»? Porque isto são coisas que dizemos a vida toda e quando estamos perto do fim ainda nos queixamos um do outro? Ainda nos acusamos mutuamente? Ainda nos agredimos com as nossas diferenças?
Não é preciso ir tão longe nas agendas dos dias futuros. A minha amiga de trinta-e-tais dirá que o seu namorado sexagenário é imaturo? E ele alguma vez se queixará de que ela é «chata»? As diferenças, ou pelos menos as acusações, diluem-se com o tempo? É que senão guardo-me para o amor mais tarde…
Sabem, hoje no táxi falava com o motorista sobre as barragens, o tempo e a agricultura. E eu disse ao bom homem que os nossos agricultores arriscam pouco. Ficam de braços cruzados a ver a intempérie levar-lhes o futuro e trazer-lhes os queixumes e a dor. Desconfio que não é só coisa dos agricultores. Desconfio que somos todos assim e no amor também. Ficamos de braços cruzados a assistir à batalha campal da diferença de géneros, arriscando pouco, fazendo pouco contra a ditadura do calendário.
Aceitamos a imaturidade dos homens, eles aceitam-nos a histeria desnecessária e ninguém se mexe muito do sofá.
Excepção para as trintonas, claro, as tais que estão sozinhas e que gostam do rebuliço. A revolução será delas.
Oh God, make me good, but not yet!

e a semana chegou...


dedicada a analisar projectos individuais de Internacionalização de PMES ao programa de Incentivos QREN-deadline 15.01. pelo meio umas reuniões chatas e outras complicadissimas. responder a uns 150 emails diários (alguns com perguntas tão estupidas....).e sonhar com o próximo fim de semana!

22 comments:

Maria said...

O teu post não é nada chato. Li-o duas vezes para ver por onde começava o comentário. Acho que te digo apenas que a vida boa (ou a boa vida, mais apreciada) começa depois dos 40. Digo eu...
No próximo fim de semana repetirei a dose na Taverna. Entretanto pode ser que não chova para ... tu sabes :))))

Beijo, Vela

Maria said...

Agora que li abaixo... é que me deste...
Gosto de ti, Vela! E tu sabes...

Outro beijinho

Eu Mesma! said...

Adorei o teu post....
ainda estou na fase dos 30.... já sinto que sou madura mas sinto que ainda vou evoluir mais...

detesto homens imaturos... e imaturidade masculina vem não so pela idade como também pela propria vida....

os homens apaixonam-se por meninas de 20 apenas e porque.... elas não lhe fazem frente....

uma mulher de 40 já dá trabalho.... apenas e porque... é inteligente e já tem uma vida nas suas costas :)

Santo&Pecador said...

Quanto ao que te aconteceu na sexta, já mo disseste, e já vimos que ambos temos a mesma opinião.

Em relação ao filme, alem de ainda não o ter visto, também não sabia da sua existência. Gostei do trailer, um filme a ver em breve, certamente.

Em relação ao Post “O amor e as barragens” digo que os homens procuram as mulheres mais novas quando querem, uma noite “divertida”, alguns precisam disso para se voltar a sentir novos.
Mas quando precisam de paixão, amor, de alguém que os escute, de alguém que os escolha para ouvintes, de alguém que os entenda por completo… não procuram mulheres mais novas! O prazer de uma simples conversa que se consegue ter com uma mulher dos trintas ou quarentas, num almoço ou num simples cafezito é muito, mas muito superior a uma noite com uma miúda de 20 anos. Mas isto sou eu…
Um dia ainda respondo a este Post, como deve ser :)

Beijo

PS: Obrigado pela menção no Post abaixo, os amigos [virtuais] são como eu já disse no meu Post, como tu já certamente viste.

Mar Arável said...

Eu só posso aplaudir

as formas

e os conteúdos do seu texto

QREN ?

Fujam

S* said...

Oh gostei tanto de ler. Os homens sao bichos complicados...

Dantins said...

Gostei do post, mas o remate com este chapéu de chuva tão apropriado para usar às segundas-feiras chuvosas foi demais :D :D

Um abraço e um resto de semana rápido para que o fim-de-semana chegue bem depressa :P

Su said...

Então depois de ler o comentário todo tenho a dizer que: por acaso eu pergunto sempre o que é que as novas conquistas das minhas amigas fazem ( não é por ter medo que elas desapareçam lol) Gostei muito de te ler! Beijinhos

Carracinha Linda! said...

Nop... não desisti!!! :D

Também sou pela igualdade de direitos dos cidadãos... logo também estou de acordo com a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Também quero ir ver esse filme... mmas primeiro tenho que conseguir ver o Avatar.

Em relação ás idades... o que importa mesmo é a idade vá lá mental e emocional da pessoa, não o nº que aparece no BI. E depois lá está... "O amor não escolhe idades!".

E por fim... também detesto as 2ªs feiras... e as 3ªs... e as 4ªs... e as 5ªs... só gosto mesmo é das 6ªs!!! :D

E pronto fico-me por aqui, porque já percebi que a responder a tantos mails não te deve sobrar muito tempo para leres os comentários.

Beijoca

E acerca do teu comentário no meu blog... se quiseres... fala-me por mail, ok? Estou daqui deste lado.

Apenas eu said...

Olá Vela!
Que bom ver-te assim tão activa :)

tens razão o amor é igual para todos.

o filme pelo que eu vi neste video é mesmo um murro no estomago.

e o texto que se lhe segue é muito engraçado.

quanto a gostares de homens mais velhos é uma coisa como outra qualquer.

beijos e força aí velinha!

Cruztáceo said...

é demasiado longo é. Comento apenas o filme... O livro foi-me recomendado por um amigo que trabalha numa Livraria. Li que nem um desalmado a estória desoladora de amor num tempo sem sentimentos. no fundo o nosso tempo.
Só um aparte: relativamente ao casamento, é fait divers...queriam um referendo para isso, quando no fundo é um direito que concerne somente aos interessados, enquanto isso, o Tratado de Lisboa foi aprovado em Portugal sem consultar os seus cidadãos, perdendo assim a população a um direito. O de existir como nação e de ter voz...definhamos cada vez mais numa Europa dos Grandes e nós reduzidos à insignificancia dum "Portugal dos Pequenitos"..enfim é tudo uma questão de prioridades. e mais não digo. Pois já está tudo "Tratado"

beijituz e abraços

Pinkinha said...

Voz da experiência: os mais velhos, têm um know how fascinante, apesar dos filhos e empresas p gerir, são cultos, sabem fazer escolhas e sabem estar.

Virgínia do Carmo said...

Vela, o post não é nada chato... diverti-me a lê-lo... principalmente - confesso - a parte das crónicas. Talvez porque estou na casa dos trinta e... bem... às vezes apetece-me ser um "rebuliço!" .. Além disso, essa coisa das idades... aprendi, com a IDADE (!) que amor é amor... paixão é paixão... idades à parte...

Obrigada Vela, adorei a partilha...

Beijinho!

nuvem said...

Eu li tudinho.

Beijinhos :)

Manuela Freitas said...

Olá Vela,
Sou uma incondicional da Cidália,desde que ela começou a escrever. Tem sido um sucesso e muita gente põe a questão se é homem ou mulher que escreve. Ler o correio que recebe, também é interessante.
Quanto ao filme sugerido, com certeza que vou ver.
Beijinhos,
Manuela

JRonson said...

Bem, realmente gostei bastante do post e foi bastante agradavel de o ler, mesmo eu não sendo uma pessoa na casa dos 30 anos, foi engraçado ver escritas essas diferenças que realmente se depara no dia.a.dia :)

juvenal said...

Nunca descobri amores à segunda-feira; nem mesmo ao sábado quando, por vezes, fico pela berma da estrada, a ler as notícias que só saem, depois, aos domingos. Mas à sexta-feira dá-me ganas de pegar no GPS e andar à cata, andar à cata... onde raio estará aquele país que ficou mais decente, ou só decente, mesmo sem o 'ser mais', onde estará?...
Vou perguntar ao Camões!

juvenal

tulipa said...

Muito interessante a análise que efectuaste.
Também detesto a Segunda-feira, mas esta semana acho que vou detestar mais a quinta -feira.

um abraço
tulipa

Barbara said...

Concordo. E aproveite PARA TUDO o brilho dos 30.
Porque os 40 não são nada e os 50, são uma disposição ao sarcasmo, que só as pós menopáusicas entendem...
(Talvez por isso que se queimavam as com 50 na Idade Média como fossem todas hereges)...
Um dia você vai lembrar disso...

mfc said...

Quanto às idades de se gostar... a gente gosta de quem gosta!
O resto não é importante.

Se tu odeias as segundas... a minha angústia já começa ao Domingo!

Lídia said...

... li o teu post três vezes :) o que importa é gostar.

JonyFingers said...

Por entre reuniões, auditorias e emails chatos para responder... consegui chegar ao fim ... ufa :)

bom fim de semana

aquele abraço