Tuesday, August 15, 2006

É pecado como deitar fora o pão...

Não invoquem o amor em vão
(Carlos Tê / Rui Veloso)
Amar é o verbo revelado
Pela boca da divindade
Só deve ser invocado
Em caso de necessidade
Esse verbo não se explica
Á luz crua da razão
Ele é a jóia mais rica
Da arca da criação
Podem-no pôr no altar frívolo duma canção
Praticá-lo até gastar
Mas não o invoquem em vão
Não invoquem o amor em vão
Não invoquem o amor em vão
Podem-no usar com rendas
Ou enfeites de algodão
Para tapar bem as fendas
Por onde sopra a solidão
Podem dá-lo ao desbarato
Podem-no até vender
Metê-lo no guarda-fato
E dá-lo à traça a comer
Podem-no usar no chão
Como capacho dos pés
Mas não o invoquem em vão
Não o sujem com clichés
Não invoquem o amor em vão
É pecado como deitar fora o pão
Não invoquem o amor em vão
É pecado como deitar fora o pão
Ouvi hoje na rádio, não sou uma grande fã do Rui, apesar de achar que tem musicas lindas que gosto de ouvir, mas esta hoje tocou me particularmente talvez porque há muito que não amo e tenha medo de já não saber amar!

13 comments:

Cris said...

Perdoa o cliché, mas amar é como andar de bicicleta, nunca se esquece (apesar de eu não saber andar de bicicleta...). Não tenhas medo, vais ver!

bj

C.

Bel said...

Adoro esta música porque a verdade é que o amor é a justificação de tudo e para tudo. è um snetimento lindo mas dificil de alcançar.
Um beijo

vida de vidro said...

Não saber? Garanto-te que não se esquece nunca e podia trazer-te milhares de casos que o provam... :)
Gosto desta canção do Rui. **

Dark-me said...

Eu tb não sou fã no entanto a letra está espectacular.
Infelizmente hoje banaliza-se mto o termo amor.
Bjo

Palavras em Mim said...

Na verdade nunca deixamos de saber amar...é um coisa que nasce com a gente.
É como andar de bicicleta, nunca perdemos o jeito!

Adorei o teu blog!

Um beijo


Palavras

Lee said...

A consciência da prática do delito é uma forte atenuante para a completa absolvição!

Minerva McGonagall said...

se há coisa que me irrita é o facto de tanta gente dizer amo-te por tudo e por nada. A palavra tornou-se banal e sem o mínimo interesse.

Desassossego said...

Quando ele chegar saberás...pelo menos é o que dizem...e Ele vai chegar com toda a certeza...

Nos entretantos deixo-te um xi grande...

Giorgia said...

tb eu acho que perdi o jeito, amiga... resta-me a esperança de um dia conseguir dar a alguem a oportunidade de me provar o contrario!

P.S: ok, vamos la entao pensar a serio nesse cafe a' beira tejo!

beijinhos

Luna said...

há muitas formas de amor, por isso não acredito que não ames, mas quando o amor que te falta aparecer vais saber
beijos

grão de areia said...

E continua a ser interessantíssimo o teu blog.

Beijos

totoia said...

Quando menos se espera...

MH said...

Amar é como andar de bicicleta… Jamais se esquece! Quando caímos, voltamos a erguermo-nos, a pedalar e a aprender com cada queda:)