Thursday, August 24, 2006

Uma pequena história que me foi enviada por mail


PORQUE É QUE OS CÃES NÃO VIVEM TANTO QUANTO AS PESSOAS?
Sou veterinário, e fui chamado para examinar um cão da raça WolfhoundIrlandês chamado Belker. Os proprietários do animal, Ron, sua esposa Lisa, e seu garotinho Shane, eram todos muito ligados a Belker eesperavam por um milagre.Examinei Belker e descobri que ele estava morrendo com cancro. Eu disseà família que não haveria milagres no caso de Belker, e ofereci-mepara proceder à eutanásia para o velho cão em sua casa. Enquanto fazíamos os arranjos, Ron e Lisa me contaram que estavam pensando senão seria bom deixar que Shane, de quatro anos de idade, observasse o procedimento.
Eles achavam que Shane poderia aprender algo da experiência.No dia seguinte, eu senti o familiar "aperto na garganta" enquanto a família de Belker o rodeava. Shane, o menino, parecia tão calmo,acariciando o velho cão pela última vez, que eu imaginei se ele entendia o que estava se passando. Dentro de poucos minutos, Belker foi-se, pacificamente. O garotinho parecia aceitar a transição de Belker sem dificuldade ou confusão.Sentámo-nos juntos um pouco após a morte de Belker, pensando alt osobre o triste facto da vida dos animais serem mais curtas que as dos seres humanos.


Shane, que tinha estado escutando em silêncio disse:"Eu sei porquê".


Abismados, nós voltamo-nos para ele.
O que saiu da sua boca assombrou-me. Eu nunca ouvira uma explicação mais
reconfortante.

Ele disse:- "As pessoas nascem para que possam aprender a ter uma boa vida, como amar todo mundo todo o tempo e ser bom, certo?"... o garoto de quatro anos continuou..."Bem, os cães (entre outras espécies) já nascem sabendo como fazer isto,portanto não precisam ficar tanto tempo como nós."
Sem comentários...
Já agora porquê que os Homens abandonam o melhor amigo?

6 comments:

OvelhaNegra said...

Como sempre, as crianças encontram, na sua ingenuidade, as respostas mais sensatas para as perguntas mais dificeis.
Tal como tu, nunca percebi como se pode abandonar um animal que connosco vive durante tanto tempo e de que se gosta. Sempre tive cães. Sempre fui para todo o lado sem abandoná-los.
Mesmo quando vou ao «estrangeiro», arranjo forma de algum familiar ficar-me com a cachorra(Perra é o seu nome. Uma rafeira de 6 anos. Muito mimada e amada)

Gostei do teu texto.!
Um beijo e um sorriso*

legivel said...

Abandonam-se os animais de estimação(?!) porque ficam velhos, doentes e são uma fonte de despesa no veterinário. Em resumo, deixaram de ser o adorno, o brinquedo. Cabe aqui referir (independentemente das excepções à regra, porque há efectivamente quem goste e respeite de facto os animais) que de um modo geral os animais ditos racionais possuem um animal dito irracional, porque estes não lhe podem fazer frente. De contrário outro galo cantaria. Um gato exigiria salário justo pelos ratos que mata, o cão pela guarda da casa e o papagaio pelo vocabulário indecoroso com que se expressa para impressionar as visitas.
Como eu costumo dizer: isto é grande problema animalesco!

bjs.

antonior said...

ABANDONAM-SE OS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO POR SE SER MAU! PONTO FINAL!

Eles não nos abandonam quando os amamos, porque sabem amar, desde que nascem. Quantos de nós passamos pela vida sem nunca aprender.

Belo post, minha amiga.

Beijos

Madeline said...

Giro.. estou a ler um livro com o nome do teu blog. Não deve ser coincidência.

O nome, quero eu dizer. :)

Bom post. *

Euzinha said...

já tinha lido isto algures e impressionou-me tenho de confessar!! ás vezes o mais óbvio é o mais difícil de explicar!!
Mas tenho de agradecer a um ANORMAL desses uma criatura extraordinária que tenho lá em casa!

Bjs

Noa said...

Sem comentários.
Descobri este blog agora e estou gostando de visitá-lo. Adorei essa história do cão. É uma verdade. Uma explicação plausível, que entendo ser a verdadeira.
Beijos