Wednesday, February 06, 2008

para ouvir e sentir

não posso deixar que te leve
o castigo da ausência,
vou ficar a esperar e vais ver-me lutar
para que esse mar não nos vença.
não posso pensar que esta noite
adormeço sozinho,
vou ficar a escrever,
e talvez vá vencer
o teu longo caminho.
quero que saibas
que sem ti não há lua,
nem as árvores crescem,
ou as mãos amanhecem
entre as sombras da rua.
leva os meus braços,
esconde-te em mim,
que a dor do silêncio
contigo eu venço
num beijo assim.
leva os meus braços,
esconde-te em mim,
que a dor do silêncio
contigo eu venço
num beijo assim
não posso deixar de sentir-te
na memória das mãos,
vou ficar a despir-te,
e talvez ouça rir-te
nas paredes, no chão.

não posso mentir que as lágrimas

são saudades do beijo,

vou ficar mais despido

que um corpo vencido,

perdido em desejo.

quero que saibas

que sem ti não há lua,

nem as árvores crescem,

entre as sombras da rua.

leva os meus braços,

esconde-te em mim,

que a dor do silêncio

contigo eu venço

num beijo assim.

leva os meus braços,

esconde-te em mim,

que a dor do silêncio

contigo eu venço

num beijo assim.

leva os meus braços,

esconde-te em mim...



30 comments:

Joanne said...

Além de um grande musico um grande senhor de sentimentos contidos em notas musicais.

DelfimPeixoto said...

POESIA____ PALAVRAS___ SENTIDOS____
Prazer de te ler

Maria Laura said...

Um poema muito bom. Tão sentido. Tão verdadeiro.
Fazes bem as tuas escolhas.

Zélia said...

Belo poema, apesar das dor que nele transportas...:(

pn said...

(in)subscrito grafiti...

Hannanur said...

Lindo o poema.

Tem uma Boa noite

Kiss

nuvem said...

Lindo... :) Mil beijos, querida

Alf said...

Olha uma foto minha :)

*

FM said...

Parto com a certeza de que Gostei e de que regressarei...
Deixo-te Essências de Luz.

Maria said...

... por um beijo mais puro vale tudo....
(o abrunhosa pode ter razão...)

Beijo
(o livro que andas a ler é lixado, porque é contra a onda...)

Ricardo Ramalho said...

Boniiiiiito =)

amazing said...

Texto Lindo Lindo Lindo

mari crrrrruuuu... said...

Palavras sentidas e com uma sonoridade mágica.
Adorei! Foi a primeira vez que aqui vim mas voltarei com toda a certeza.

Bjinho***

Jotabê said...

é um compositor incrível, como incrível é a facilidade como se consegue ínvadir´aquele poema e tomá-lo como 'nosso'.

:)

beijoca

Brain said...

Velas,

Não preciso dizer-te o quanto aprecio este poema, pois não?

;)

Um Beijo meu.

Miudaaa said...

Tanta SenSibilidade nas Palavras, nos Sentires, com a Voz do Pedro a dar ainda mais força o que li.

Quero que Saibas, que sem ti não há LUA.

Beijo-te com carinho.

Miudaaa said...

"a dar ainda mais força ao que li."

Pierrot said...

Grande foto
Grande musica
Grande letra
E que poema lindo amiga
Saudades
Bjos daqui
Pierrot

Su said...

gosteiiiiiiiiiiiiiiiiiii

jocas maradas...sempre

PintoRibeiro said...

Sem tempo, sem tempo mesmo nenhum.
Vim deixar um bjinho.

brisa de palavras said...

Tanta sensibilidade ...tanta dor por estes lados....
um abraço
brisa de palavras

little_blue_sheep said...

**********************************************************************

Frankie said...

Gostei.

Sinceramente.

Just an ordinary girl said...

adoro adoro adoro, esta música!!!

um beijooooooooooooo, para ti!

...Ju... said...

ai ai :)

mariazinha said...

belo.
*

Carracinha linda! said...

Este texto � lindo!

Deixo-te um beijo e votos de um excelente fim-de-semana!

melgadoporto said...

Adorava as palavras que se escreviam nas paredes.
Eram palavras de carinho, espalhadas nos sítios mais difíceis e impensáveis.
Mas eram palavras de sentir e sentimentos.
Desenhavam-se corações e juntavam-se nomes de quem se amava.
Eram “abraços” que não tinham dimensão. Eram tatuagens de uniões.
Depois vieram as “palavras de ordem”, que sujaram os recantos da cidade.
Agora temos a “famosa arte”, que nenhum espaço perdoa o seu spray.
Tenho saudades dos “abraços” antigos…
:)

pin gente said...

todas estas palavras eu diria hoje
como as conseguiste para mim
para as dizer a um amor que foge
todas estas palavras são tão eu
sentiste-as, sem serem mesmo minhas
e eu só as oiço perdida neste breu

PavlovDoorman said...

Um belo poema de um enorme Cantautor.

Felicitações pela escolha...

Beijinho Menina das Velas