Sunday, January 21, 2007

o meu tempo a acabar


E a perfeição?
A perfeição reside no caos, nos tumultos, nos escombros
do ser
Talvez não saiba o que digo
Estas criticas ferozes…
A voz não diz o que desejo,
é escasso raciocínio,
em dias de pura tristeza
Talvez não saiba o que digo
Esta minha forma de me expressar
tão dura e velada
Não vos trás os ensinamentos ou conselhos
porque também não é isso que pretendo
Mundo este de bailarinos inábeis
executando seus primeiros passos
num palco gigantesco
sem aplausos
sós
nós
e uma valsa
sem memória
a ecoar por toda parte
e não há tempo para temer
e não há tempo para chorar
Talvez não saiba o que digo
a Valsa
não tem perdões,
obriga-nos a valseá-la
a Valsa
não sabe nomes,
envolve-nos nos braços
a Valsa
ela mesma
não se chama Valsa
Talvez não saiba o que digo
há algo em mim que quer brotar com força
talvez um simples poema
talvez apenas
esta vontade, imensa, de falar.
Talvez não saiba o que digo
Mas sinto o meu tempo acabar


24 comments:

Scarlett said...

Magnifica como sempre!

A perfeição não tem de ser ou obedecer aos padrões convencionais, aqueles sempre nos disseram que eram os ideais.

A perfeição é nossa, é o que nos faz feliz, uma valsa por exemplo.

Anonymous said...

Ânimo... só o perú morre de véspera!
A vida é bela!

HatA/mãe said...

Se precisares, tens sempre a minha mão amiga, vem até mim... quem sabe nos ajudaremos mutuamente?

Beijos

maria josé quintela said...

o tempo está sempre a acabar... e a começar...

Anonymous said...

Oh! Linda!

Otampo ainda mal começou!!
Vive apenas um dia de cada vez, isso ajuda em tudo!!!


beijinhos e ânimo!!!


:))

Crystal said...

Olá Velas, vim até cá porque fiquei preocupada com o que me disseste, não gosto de ver ninguém assim, tão perdida, talvez porque conheça demasiado intimamente esse sentimento de estar só no meio de uma multidão que sei que me adora mas que nem assim me preenche. Perdoa-me se falo de cor, o pouco que li aqui no teu blog não me permite conhecer a fundo o que te atormenta…Mas conheço o vazio do vale em que te encontras e quero que saibas que realmente existem alternativas. Por vezes tardam, eu sei, as sombras toldam-nos o olhar e não nos permitem ver o caminho. Sabes o que faço quando assim estou? Nada! Apenas penso, hoje vou sobreviver. E amanhã também, depois logo se verá. Não, não é engano, eu não vivo um dia de cada vez (porque é pouco) mas dois: O hoje e o amanhã, o resto realmente já não me faz espécie. Isto soa assim um bocadinho do tipo Alcoólicos Anónimos mas garanto-te que comigo funciona. Assim como a escrita, outra terapia para a minha tristeza e o meu vazio, embora por vezes nem isso eu consiga fazer. Eu tenho a certeza que existem muitas mãos estendidas na tua direcção e, embora nenhuma delas possa ter o que procuras, todas têm um pouco de amor para te dar. Aceita-as. Abraça-te nelas, mesmo que sejam virtuais, são preciosas, apenas precisam do teu aval. As minhas estão aqui, para te ajudarem no que puderem, mas as mãos que mais deves agarrar são as da pessoa que realmente nesta vida mais conta: As tuas. Tu tens é que ser a tua melhor amiga, tua amante, tua prioridade.

Um beijo no teu coração que te leve a Paz e todo o meu carinho

Estranha pessoa esta said...

Poderia escrever tudo.
Poderia até dizer alguma coisa.
Mas, de que serve alguém o dizer.
És tu que tens que sentir as palavras que queres, e tudo o que isso implica.

Abraço enorme, mesmo enorme para ti Velinhas

crispipe said...

O nosso tempo jamais acaba......interrompe temporariamente.....muda as perioridades......Jokinhas muito grandes.

Sea said...

A imperfeição da nossa perfeição.
Imperfeitos, todos o somos.
O teu tempo são todos os dias.
Hoje, um pouco mais lento,
amanhã, mais apressado.
A valsa das mudanças.
E essas são todos os dias.

Melhor, hoje?

Beijo

joaninha said...

por muito desanimada que estejas esforça te por não pensar nisso... solta o cabelo e respira fundo... deixa o vento frio bater te no rosto e pensa que tudo tem solução! lembra te que tens amigos(as) e pessoas que gostam muito de ti e que precisa imenso da tua força, do teu sorriso, de TI! vais ver que melhoras ;)

*beijinhos*

Ana Luar said...

Tudo, o que eu aqui escrever, será pouco... perante o teu sentir.
Resta-me deixar um beijo recheado de carinho e polvilhado de ternura.

Anonymous said...

gostei bastante destes versos. É o reflexo dos dias que vivemos. Não temos tempo para nós...e aqueles que dizem ter tempo...mentem. Falta-nos o tempo para dizer que gostamos de nós próprios e dos outros...daqueles que estão a nosso lado. Falta-nos o tempo para apreciar os momentos do nosso dia-a-dia. Falta-nos o tempo para o nosso presente...daí a saudade ser um sentimento tão lusitano....
Saudade...saudade do tempo que não vivi!

Anonymous said...

Não devemos fazer nada por obrigação. O tempo passa, mas não tem necessáriamente que acabar! Depende de nós o seu melhor aproveitamento.
Bjs!

Cris said...

O nosso tempo acaba quando desistimos, e desistir, NUNCA!!!! E espero que não sejas perfeita, a perfeição é uma utopia, são as nossas imperfeições que nos fazem diferentes e únicos. E tu, sem dúvida é ÚNICA!!!!!!!!! E Linda!!!!!!!! e nós gostamos de ti, por isso mesmo!!

Beijos grandes

Cris

Anonymous said...

intenso...
se for ficção, é um belo texto... se for real é também um belo texto...

se for real... que seja ultrapassado... superado!

a paz vem com a aceitação, a aceitação vem com a genrosidade, vem com a beleza de se ser único e irrepetível apenas como se é!

beijo
tem um dia feliz

Jotabê said...

Sabes moça, fui lendo por aí abaixo à espera de aparecer um autor para este texto, não por não te reconhecer capacidades para o escrever mas porque me sugeriu um tema já há algum tempo lido sobre a ‘anarquia da mente’ uma tese defendida por um Mikhail qualquer, que agora não me lembro, mas que, como dizia, apresentava a ‘nossa falta de autoridade sobre a mente’, como um dos estados mais criativos, mas, infelizmente, também destrutivos do equilíbrio emocional do ser humano.
Foi, ‘A voz não diz o que desejo’, que mo sugeriu…

gostei da analogia da valsa ao caos

:|

beijoca

Anonymous said...

Passei para deixar um abraço.

Anonymous said...

a tua chama arde
sempre
bem alto...

"it´s in your reach... concentrate"
placebo

em muitas alturas, são os meu melhores amigos...
bjs velinha

Anonymous said...

É tão bonito o que escreves! Talvez por reconhecer no que escreves coisas que eu já senti tantas e tantas vezez, me comovi.
Só posso te dizer que sim, tudo tem um tempo e acaba, mas felizmente que é assim pq fica espaço para outras coisas acontecerem e serem.
Deixo um beijo mt meigo de alguém que ja desesperou tantas vezes por inumeros motivos, mas que voltou a sorrir uma, e outra, e outra, e outra...... vezes.

Mendes Ferreira said...

a perfeição de assim dizer.


_____________________


boa noite.


______________________


beijo.

Anonymous said...

Somos nós...a valsar a vida...nos seus inúmeros palcos...

Bjs. Boa semana.

bono_poetry said...

que bom.....sentir o vazio ...quem o consegue sentir...estranhar a colocacao do fim...como caos?..jamais..onde tudo acaba...da inicio a uma nova era...e o reciclar da emocao e sentimento...adorei....beijos..

Anonymous said...

Dança sempre a valsa como se fosse a última...vive cada dia como se fosse o último...não acabes o tempo antes dele acabar!...
Um beijo intemporal ;)

Anonymous said...

bonito... muito bonito