Monday, May 15, 2006

Quem desdenha quer comprar!!!

Não te amo!!!

Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma.
E eu n'alma - tenho a calma,
A calma - do jazigo.
Ai! não te amo, não.
Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida - nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai! não te amo, não!
Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.
Não te amo.
És belo; e eu não te amo, ó belo.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?
E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau, feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.
E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.

6 comments:

Anonymous said...

Acho q isto está nas folhas caídas. Belo livro, pena a edição existente nas bancas ser uma miséria. Já merecia uma edição,, n digo de luxo, mas boa!!!

MiguelGomes said...

«Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.
Não te amo.»

Acho que Garrett nao se amava a ele próprio :D

Fica bem,
Miguel

Rui said...

Não é só amor. É muito mais que isso.

Um outro olhar said...

Garret era um bom escritor, mas algo estranho a meu ver.

quer e não quer, gosta e não gosta, a dúvida constante...
sabe que quer,"mas amar! ... não te amo, não..."

:)

Desassossego said...

Amar, verbo mais complexo e atormentador.... Eu amo? tu amas?

Eli said...

Sussurraste, ou gritaste?!

Depende muito da entoação.

:)