Wednesday, October 22, 2008

um poeira 2002

silêncio.na mesa uma quietude.triste e frouxa.o primeiro copo bebido foi de cerveja. uma espécie de cimento fresco para o ardor de quem gosta de vinho. saí. está tudo muito cheio.de gente.de vazio. o ar não se respira.nas mesas, o vinho tinto encorpado é de um escuro sólido. o vinho branco, cristal na transparência verde da uva. a água, essa condensava, sem piada e pesada.
lá fora corre o tempo de um outro mundo.um mundo que não quero meu. daqui onde estou vejo olhares vagos. não há sorrisos. as bocas não têm expressão nenhuma. os gestos são cenas do cinema mudo. fazem-se movimentos com os lábios. pessoas abrem os braços. asas inúteis para voar.
vejo o silêncio.incolor.vou para casa.
na minha sala abro um Poeira de 2002.pego na rolha de cortiça e levo ao nariz a sentir o vinho. tinto.sinto o aroma azedo de madeira molhada.uma cor rubi, corpo redondo e consistência aveludada na boca. pela maciez e suavidade, diria que fora convenientemente envelhecido.guloso.belissimo. os meus olhos brilham. um abrir-e-fechar de olhos.
e bebo.bebo, bebo, bebo.....
agora sim consigo ouvir me respirar.bebo.




“Dá-me vinho, porque a vida é nada"
Fernando Pessoa

22 comments:

Liana Andra Marques said...

Estou sem imaginação, os meus pensamentos andam muito altos, por outras paragens... Mas gostei de como descreveste tudo. Bonito***

rjl said...

:)

brindemos ao post com um copo de Poeira de 2002

*

mfc said...

Esta elegia é... muito frutada!
Sou um apreciador.
Gosto... gosto... e gosto!

Maria said...

Perdi-me por aqui...
Depois do Poeira 2002 que tal abrirmos um Leo d'Honor?

Beijo
;)

Teresa Durães said...

às vezes sabem bem

Vício said...

espero que não estejas de ressaca! ;)

cada vez admiro mais Pessoa!

Dawa said...

Beijinho grande!

Apenas eu said...

Acho que te vou seguir e acompanhar-te na bebida...

Um beijo

Maariah said...

Sabes do que gosto: daquele barulhinho que se ouve quando deitas o vinho no copo. Gosto mesmo.

vida de vidro said...

Deita aí um pouquinho neste copo... Estou mesmo a precisar! :)**

Gerlane said...

Perfeito, contundente, intenso e inebriante texto!


Beijos pra ti!

Delfim peixoto said...

Um nectar e sabor autênticos e raros

melgadoporto said...

O verdadeiro viver da vida exige ritual.
Exige tempo, dentro do tempo.
Momentos que únicos, que por vezes se repetem.
Beber um delicioso vinho tinto, e só esse, em paz.
Aquela paz que, a sua fortaleza de cor e sabor, nos inspira.
Recostar e deixar que os pensamentos nos conduzam.
Pois se bebemos não devemos conduzir :-)

Sea star_ Hannanur said...

Olha Velinhas, até discordo do Sr.Pessoa.A Vida é tudo.Não precisamos do vinho para nos dar côr aos dias.Só na gastronomia quanto a mim.Doseada, de qualidade para que seja um momento especial.

Quanto ao teu post concordo com a escolha do Douro.

Beijinhos
Faz favor de ser Feliz

amazing said...

Muito, muito bom!

Que saudades desta música...

miak said...

Que bom ler-te. A sério.

pn said...

ó velinhas! lá foste tu apanhada em flagrante delitro!

maria josé quintela said...

pena esse poeira ser virtual!



:)



beijo.

Jotabê said...

Deste ali uma imagem engraçada que condiz em muito comigo. Vejo-me por vezes a olhar o ambiente, consigo-me abstrair dos sons, anulá-los até, e faço um exercício de tentar saber, pela expressão, pelos gestos, pelo olhar, etc. o estado de espírito dessas pessoas, se são felizes, se sinceras, ou dissimuladas, que pensamentos e de que pecados são feitas...

Hei-de experimentar com uma garrafa de vinho como companhia, pode ser que o composto etílico me dê alguma habilidade extra-sensorial e que consiga ver mais além. O pior é se não vou gostar do resultado final, ainda vejo alguma coisa que não quero ou descubro algo que ainda não sei

Agora, exercícios mentais a solo ainda os papo, mas beber sozinho?! Que chato pá..

:|

uma beijoca grande

:)

Paulo said...

Andei desaparecido ;)

Nem sempre é solução, no entanto sabe bem e, por vezes, é o que precisamos para nos libertarmos...

Beijo

Dias said...

O sõr pessoa, dizem, eram mais absinto e coca... tivesse ele bebido mais vinho e talvez a sua escrita me merecesse outra atenção.

Da tua, gosto bastante!

Beijo

P.S. cool sound, cool video.

Mateso said...

E do nada se faz vida....
Bj