Thursday, October 12, 2006

Um bocadinho dedicado ao surrealismo

Este post surge de algumas conversas que tenho tido com uma amiga e de uma entrevista que li na terça feira deste grande Senhor Mário Cesariny.
O mais importante, para quem não conhece os " surrealistas" nem sabe o que é o movimento surrealista, não fica por dizer....o surrealismo, tem como permissa que a arte deve libertar se das exigências da razão e da lógica e ir na vanguada da consciência quotidiana, expressando o inconsciente e os sonhos.


faz-me o favor...

Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.
É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és nao vem à flor
Das caras e dos dias.
Tu és melhor -- muito melhor!--
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.

(Mário Cesariny-"O Virgem Negra").


passagem dos elefantes

Elefantes na água optimistas à solta
optimistas à solta elefantes na árvore

elefantes na árvore optimistas na esquadra
optimistas na esquadra elefantes no ar

elefantes no ar optimistas em casa
optimistas em casa elefantes na esposa


elefantes na esposa optimistas no fumo
optimistas no fumo elefantes na ode


elefantes na ode optimistas na raiva
optimistas na raiva elefantes no parque


elefantes no parque optimistas na filha
optimistas na filha elefantes zangados


elefantes zangados optimistas na água
optimistas na água elefantes na árvore


(Mário Cesariny)



Mário Cesariny é um pintor e poeta, considerado o principal representante do surrealismo português.
Mário Cesariny de Vasconcelos nasceu no dia
9 de Agosto de 1923, às 19h00, em Lisboa. Frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e estudou música com o compositor Fernando Lopes Graça. Durante a sua estadia em Paris em 1947, frequenta a Academia de La Grande Chaumière. É em Paris que conhece André Breton, cuja influência o leva a criar no mesmo ano o Grupo Surrealista de Lisboa, juntamente com figuras como António Pedro, José Augusto França, Cândido Costa Pinto, Vespeira, Moniz Pereira e Alexandre O´Neill. Este grupo surgiu como forma de protesto contra o regime político vigente e contra o neo-realismo. Mais tarde, funda o Grupo Surrealista Dissidente.

11 comments:

Giorgia said...

e só porque este é um dos meus movimentos artisticos de eleição, tenho de ser a primeirinha a comentar! :)
Vou aprofundar Cesariny!

beijokas

Delfim Peixoto said...

Sem dúvida, uma boa aula!
bjs ternos

Teresa Durães said...

Não conhecia Cesariny enquanto poeta... acreditas? ahahahha

a pintura sim e aprecio muito. Boris Vian (A espuma dos Dias, Formigas) foi o primeiro surrealista que li. E quano andei na alliance française (muito pouco tempo) conheci sem saber Robert Desnos com o poema "Une fourmi" e Prevert (que se envolveu com os surrealistas mas é considerado um independente.

O surrealismo dá uma liberdade de expressão extraordinária, na minha óptica, claro. Defendiam valores ou anti-valores com os quais não me identifico: um deles era o fim do conceito família - sou demasiado portuguesa. Os meus filhos são os meus filhos :)))

boa tarde

Trivialidados said...

Cultura é cultura. Boa estamos sempre a ter novos conhecimentos.

Polly Jean said...

O surrealismos é a forma mais dura, sincera e pura de dizer o que as palavras às vezes escondem.

Tiago said...

Mário Cesariny, muito bem, sou sincero naõ conheco muito do seu trabalho, no entanto gosto muito deste poema dele

"Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco "

espero que gostes

Louco de Lisboa said...

Gosto bastante...

E também deixo umas palavras dele!

"Eu, Sempre..."

Eu sempre a Platão assisto.
Pessoalmente, porém, e creia que não
Tenho qualquer insuficiência nisto,
Sou um romano da decadência total,
Aquela do século IV depois de Cristo,
Com os bárbaros à porta e Júpiter no quintal.

Mário Cesariny

Até outro instante!
Kiss...

Estranha pessoa esta said...

O primeiro poema...
Não conhecia... gostei muito! Mesmo...

E o surrealismo... é puro, é duro, é o que deveria ser.
..

Um abraço grande para ti Velinhas **

Anonymous said...

ADOREI o primeiro poema!!

Um beijo!

fatima

PS Muito obrigada pelas tuas palavras gentis para comigo. Souberam-me melhor ainda pq estava num dia dificil.

Menina_marota said...

Este surrealismo que adoro!

Deixo-te com um grande abraço:

"Lembra-te
que todos os momentos
que nos coroaram
todas as estradas
radiosas que abrimos
irão achando sem fim
seu ansioso lugar
seu botão de florir
o horizonte
e que dessa procura
extenuante e precisa
não teremos sinal
senão o de saber
que irá por onde fomos
um para o outro
vividos"

(Poema de Mário Cesariny)

Bruna Pereira said...

Olha que bem lol... Finalmente começo a encontrar blogs interessantes :-)
Gostei muito deste Post.
Gosto muito do surrealismo.
É sempre o que tem mais lógica por não ter nenhuma nem aspirar a isso.